Rede aleluia
Como o seu filho está lidando com a pandemia?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 31 de maio de 2020 - 00:05


Como o seu filho está lidando com a pandemia?

Saiba como amenizar as consequências negativas das mudanças na rotina de crianças e adolescentes provocadas pela chegada do novo coronavírus

Como o seu filho está lidando com a pandemia?

Qual é o impacto da pandemia para a saúde mental e o bem-estar das crianças? A falta de convívio com os amigos, o distanciamento de familiares, a interrupção das aulas presenciais e as restrições de espaço podem causar nelas dificuldades psicológicas e comportamentais.

Na China, um estudo feito em fevereiro de 2020 na província de Shaanxi mostrou que o distanciamento social durante a pandemia levou 36% das crianças e adolescentes a desenvolverem uma dependência excessiva dos pais, enquanto 32% apresentaram desatenção e 29% preocupação. Além disso, 21% dos pesquisados tiveram problemas de sono, 18% apresentaram falta de apetite, 14% tiveram pesadelos e 13% relataram desconforto e agitação. A pesquisa foi feita com 320 crianças e adolescentes de 3 a 18 anos e foi publicada em abril no periódico The Journal of Pediatrics.

Emoções
A psicopedagoga Renata Lima explica que as mudanças trazidas pela pandemia podem levar a transtornos, caso os filhos não recebam o apoio adequado dos pais. “As transformações da rotina foram tão drásticas que podem gerar ansiedade, agressividade e irritabilidade, pois a criança não sabe lidar com isso. Ela não tem a chamada ‘flexibilidade cognitiva’ para ver as coisas sob outro ângulo e se reinventar.

Por isso, os pais precisam conduzi-la nesse processo”, diz ela, que atua na orientação de pais e na formação de professores.

Ela afirma que os pais podem ajudar a criança a nomear as próprias emoções: “quando a criança aprende a reconhecer, a nomear e a lidar com as emoções, ela cria repertório para encarar situações difíceis até adquirir autonomia para resolvêlas sozinha. O ideal é fazer esse treino desde os 2, 3 anos de idade. Se a criança não aprender isso, ela não vai saber lidar com as frustrações quando crescer”.

Renata Lima desaconselha os extremos e relata que não adianta dar tudo o que a criança quer, tampouco deixá-la chorar descontroladamente. “Os pais precisam substituir um comportamento de birra ou choro com diálogo, explicando a situação. Não adianta só ignorar a criança, pois com isso ela aprenderá que não pode contar com aquele adulto”, esclarece.

A pediatra Paula Sellan lembra que o distanciamento social acabou dificultando atividades fundamentais para o desenvolvimento da criança. “A rotina das crianças foi impactada e elas não estão gastando a mesma energia de quando iam à escola ou ao parque. Algumas crianças não estão dormindo bem e acabam ficando mais ansiosas.”

Ela orienta os responsáveis a manterem uma rotina e usarem o tempo em casa para compartilhar experiências com os filhos. “Ainda que os pais estejam atarefados e trabalhando em casa, é importante aproveitar essa oportunidade para ficar com os filhos e construir boas memórias. A criança vai lembrar dessa pandemia como um momento em que ficou mais tempo com os pais e essa lembrança boa pode minimizar os impactos negativos do que estamos vivendo”, diz.

A psicóloga Jaqueline Oliveira Moreira recomenda que os pais prestem muita atenção às mudanças de comportamento de crianças e adolescentes, pois isso é um sinal de que algo não está bem. “Muitas crianças estão se sentindo sozinhas, ansiosas e isso pode levar à depressão. Outras estão descontando as preocupações ingerindo mais guloseimas. Os adolescentes podem se isolar ainda mais e até se automutilar. Os pais precisam dialogar e fazer atividades com os filhos”, diz, acrescentando que em alguns casos é importante buscar ajuda especializada.

Ela destaca ainda que os responsáveis precisam ter cuidado para não descontar seus sentimentos e suas frustrações nos filhos. “Muitos adultos estão vivendo uma pressão psicológica muito grande, estão preocupados com a renda e o futuro, e acabam descontando a ansiedade nos filhos. Isso muitas vezes se torna agressão física e psicológica”, lamenta. Se a criança apresenta raiva ou irritabilidade, ela sugere atividades com papéis. “Amassar papéis, apertar bolas e rabiscar podem ajudar a eliminar emoções negativas”, ensina.

Espírito
A psicóloga e responsável pelo Projeto Escola de Mães, Edineia Dutra, alerta que pais e responsáveis também precisam se cuidar. “Em tempos difíceis é necessário fortalecer o espírito para suportar momentos de angústia como este. Você pode fazer isso de maneira lúdica com as crianças. Conte a elas histórias ou ações bíblicas e elas precisam dizer quem é o personagem daquela ação”, sugere.

Ela lembra que o excesso de notícias pode ser prejudicial, pois pode aumentar a angústia. “Procure ler e ouvir mensagens edificantes que elevarão sua Fé e confiança de que ‘todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus’ (Romanos 8.28). Isso também ajudará seus filhos, já que eles costumam sentir pelo que sentimos e absorvem as nossas emoções”, finaliza.


Como o seu filho está lidando com a pandemia?
  • Rê Campbell / Foto: Getty Images 


reportar erro