Rede aleluia
“Comecei a pensar em morar na rua e esperar a morte chegar”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de Novembro de 2022 - 00:05


“Comecei a pensar em morar na rua e esperar a morte chegar”

Amigos, bebidas e a busca por status social não foram suficientes para preencher o interior de Bianca Ferreira. No Altar de Deus, ela finalmente encontrou paz e alegria

“Comecei a pensar em morar na rua e esperar a morte chegar”

A professora Bianca da Silva Ferreira, de 25 anos, se afastou da Presença de Deus ainda na adolescência. Diante de tantas filosofias de vida disponíveis no mundo, ela passou a não crer mais no que ouvia falar de Deus. “Eu cresci na igreja, mas, com o passar do tempo, em razão de questionamentos e pelo fato de andar com pessoas ateístas, não cria mais no que ouvia e, por volta dos 18 anos, passei a me envolver com o mundo e a procurar ideologias para seguir.”

Ela recorria a coisas e a pessoas para fugir de sua realidade e do vazio interno. “Eu vivia guiada pelo coração e descontava tudo nas bebidas alcoólicas. Tudo era motivo para eu beber. Estava sempre em festas, amava o carnaval e me envolvia com homens para provar que eu tinha algum valor e até com mulheres para provar o que eu gostava ou não”, diz Bianca.

Apesar de aparentar felicidade na frente dos amigos, os dias dela eram marcados pela depressão e pela ansiedade e, por isso, ela buscava incansavelmente por algo para resolver sua infelicidade. “Não me preocupava com o lado de dentro, mas apenas em ter dinheiro, viajar e ostentar, mesmo que estivesse passando dificuldade e fome dentro de casa. Eu sempre ocupava a minha mente para não ver a minha realidade, mas, quando estava sozinha, era dominada por pensamentos de morte”, recorda.

A cada dia, o cenário da vida de Bianca piorava e o que estava em seu interior passou a se refletir também em seu corpo na forma de doenças, alergias e feridas. No entanto ela afirma que o fundo do poço ocorreu em 2020, quando enfrentou a morte de seu irmão e, logo em seguida, a perda do emprego. “Eu comecei a pensar na possibilidade de morar na rua e esperar a morte chegar. Todos os dias, com muita tristeza, eu chorava e ‘conversava’ com meu irmão, gritando e chamando-o, pois desejava que ele voltasse”, lembra.

Em 2021, durante uma dessas “conversas”, ela disse que queria ir para o céu e, naquele momento, se lembrou de Jesus. Foi então que tudo mudou.

“Quando me lembrei de Deus, encontrei um motivo para viver, algo que não tinha encontrado em nada, nem mesmo no dinheiro, nas realizações profissionais ou nos relacionamentos amorosos ”, revela.

A seguir, ela voltou a frequentar as reuniões da Universal. Inicialmente, seu objetivo era obter uma conquista financeira, mas ela logo constatou que sua necessidade maior não era ter dinheiro. “Percebi que não tinha necessidade do que eu procurava no mundo, mas, sim, do que procurava em Deus. Então, me batizei nas águas, mudei totalmente meu comportamento e pensamentos e recebi o Espírito Santo”, diz.

Hoje, Bianca tem a alegria e a paz que sempre desejou. “O Espírito Santo é a realização da minha vida. Ele me ajuda a passar por todas as situações e a continuar na fé. Agora sou completa e feliz. Deus me deu uma chance e agora minha filosofia de vida é agradar a Deus e mostrar a imagem dEle”, conclui.


“Comecei a pensar em morar na rua e esperar a morte chegar”
  • Camila Teodoro / Foto: Demetrio Koch 


reportar erro