Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de fevereiro de 2020 - 12:39


Casados e vivendo em casas separadas. Mais uma ideia anticasamento

A ‘união livre’ está cada vez mais comum. Saiba como blindar o relacionamento e não errar no amor

Casar e, principalmente, manter o casamento, não é uma tarefa fácil. O casal precisa estar comprometido a resolver os problemas, se adaptar e deixar a chama da relação acesa.

Para isso, parece que vale tudo. Inclusive, se manter distante alguns dias na semana e até morar em casas separadas. A prática já existe e está crescendo: é chamada de part-time marriage ou casamento por tempo parcial.

A ideia é recuperar o espírito de quando o casal namorava, fazendo acordos para respeitar a liberdade um do outro e impedir que o amor caia na rotina e no esfriamento. A atriz Gwyneth Paltrow e seu marido, Brad Falchuk, por exemplo, vivem em casas separadas e ficam juntos quatro noites por semana.

Renato Cardoso, coautor do livro Casamento Blindado, diz que a tendência da mídia e da sociedade em geral é ser assim: cada vez mais anticasamento e de tudo que ele representa.

“A ‘união livre’ ou ‘estável’, marcada por um conceito de que o compromisso duradouro e absoluto não é possível, será mais e mais comum. Como aguentar a mesma pessoa vinte, trinta, cinquenta anos? A cada dia, um novo argumento derrogatório e anticasamento é criado. Se você preza o seu relacionamento e não quer se tornar mais uma estatística, blindar seu casamento é fundamental para sua sobrevivência”, alerta.

Como combater o esfriamento

De acordo com Renato, o esfriamento começa quando o casal para de fazer algo pelo relacionamento, mas há formas muito mais eficazes do que a citada acima para evitar esse tipo de problema.

“O casamento não é algo automático, que você pode deixar no ponto morto e ir levando. Ele é vivo, muda com o tempo, a idade, os desafios. Assim sendo, vocês têm de estar sintonizados para se adaptar. Senão, serão pegos de surpresa quando um problema fugir do controle”, afirma.

Ele acrescenta que só focar e falar sobre rotina do trabalho, dos filhos, da casa, do estresse, faz com que um não se interesse mais na vida do outro, virem hábitos de frieza e o clima acabe.

Para mudar isso, em primeiro lugar, Renato aconselha: “invista nas boas rotinas, como dormir juntos, dar um beijo ao sair e ao chegar e fazer as refeições e atividades juntos”, orienta.

Diálogo

Outro investimento importantíssimo é o diálogo que, para a maioria dos casais é o de sobrevivência, como: “o que tem para comer? Já pagou aquela conta?”. Muitos não se importam mais em fazer perguntas que, realmente, busquem saber o que está acontecendo com o cônjuge.

“Ao longo do tempo, quando o casal não tem conversas mais profundas, as vidas e os objetivos vão se distanciando e seguindo em direções opostas. Em um dado momento eles não se reconhecem mais, pensam que não se amam, que não têm mais nada em comum”, fala Renato.

Para ajudá-los a mudar este quadro é que surgiu a Caminhada do Amor, que fornece perguntas elaboradas, a fim de restaurar a intimidade entre o casal, alinhar os objetivos e se conhecer de uma forma leve e agradável. Acesse o site para saber mais, clicando aqui.

Participe também da Terapia do Amor, palestra semanal que ajuda casais e solteiros a resolver qualquer questão relacionada à vida amorosa. Ela acontece às quintas-feiras, no Templo de Salomão, às 10h, 15h e 20h. O endereço é Avenida Celso Garcia, 605, Brás, zona leste de São Paulo.

Você também pode ir a qualquer Universal. Encontre o endereço mais próximo de sua casa aqui.


  • Rafaella Rizzo / Fotos: Getty Images 


reportar erro