Rede aleluia
As preocupações estão tirando o seu sono?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de maio de 2020 - 00:05


As preocupações estão tirando o seu sono?

As incertezas trazidas pela pandemia podem estimular episódios de insônia e dificuldade para dormir. Entretanto é importante manter uma rotina de sono para garantir uma boa saúde

As preocupações estão tirando o seu sono?

Você está dormindo bem? Com a pandemia do novo coronavírus, a rotina de muitas pessoas se transformou e isso pode ter trazido impactos na qualidade do sono. Entre os brasileiros, a dificuldade para dormir já estava presente antes mesmo da chegada do novo vírus.

Em 2019, os problemas com o sono afetavam 60,4% da população adulta e 54% das pessoas não estavam satisfeitas com o sono durante a semana, segundo levantamento feito pela Associação Brasileira do Sono.

A psicóloga clínica Francinete Paulo de Medeiros, de Jundiaí, interior de São Paulo, explica que as mudanças provocadas pela pandemia podem acentuar doenças preexistentes ou estimular o surgimento de transtornos. “A pandemia está trazendo insegurança, medos, estresse, dívidas e isso pode atrapalhar o sono. Nós saímos da nossa zona de conforto no trabalho, nos estudos, na rotina, para nos depararmos com situações novas. Neste momento, precisamos aprender a viver com as incertezas”, diz ela, que é especialista em terapia coginitivo-comportamental.

Segundo Francinete, a saúde mental e o sono têm relação direta. A insônia pode ser um sintoma de que algo não está bem. “Geralmente, quando estamos com insônia de modo frequente é sinal de que já existia uma ansiedade. Sentir ansiedade é normal, mas se ela é muito intensa e causa palpitação, sudorese e falta de ar, pode ser patológica e a pessoa precisa de ajuda especializada”, alerta.

Química do sono
Franco Martins, pneumologista e médico do sono da Faculdade de Medicina do ABC, explica por que as preocupações e a ansiedade atrapalham o sono: o conteúdo do nosso pensamento pode interferir positivamente ou negativamente em relação ao sono. Do ponto de vista cerebral, quando nós temos uma manifestação de ansiedade, o corpo acaba liberando substâncias como o cortisol e a adrenalina, que fazem com que a atividade cerebral fique mais ativa e a pessoa não consiga dormir”, detalha.

Ele conta que a liberação de cortisol e da adrenalina também ocorre quando praticamos exercícios físicos ou realizamos uma atividade que estimula o cérebro.

O médico acrescenta que há outras substâncias envolvidas no sono. “A adenosina, por exemplo, é resultado da produção de energia pelos neurônios. Quanto mais ela se acumula ao longo do dia, mais ela promove o sono. Entretanto o consumo de café, chá-mate e substâncias energéticas pode bloquear a ligação da adenosina com receptores dentro do cérebro. Assim, a pessoa fica mais ligada e pode ter dificuldade para dormir”, esclarece.

O excesso de luminosidade também pode prejudicar o sono das pessoas. “A luz de celulares, tablets e computadores interfere na melatonina, substância cuja principal função é regular o sono”, aponta o médico.

Saúde em risco
O pneumologista Franco Martins diz que a média de sono da população adulta é de 7,5 horas, mas isso pode variar. Entretanto quem dorme menos de seis horas por noite deve ficar atento. “O sono é uma necessidade fisiológica e faz parte dos três pilares para uma vida saudável: nutrição, atividade física e sono. O organismo não funciona adequadamente se a pessoa não dormir bem”, alerta.

A falta de sono, a insônia ou o sono fragmentado, que é quando a pessoa acorda várias vezes durante a noite, podem levar ao desenvolvimento de várias doenças. “A falta de sono está associada à depressão, a transtornos de humor, à esquizofrenia, ao AVC e ao aumento da incidência de câncer de modo geral. Quem dorme mal pode ter o agravamento de doenças respiratórias e maior risco de infarto, pior controle da pressão arterial e aumento nos níveis de colesterol e glicemia. A insônia também está relacionada à obesidade, à dificuldade de aprendizado e à diminuição da atenção e dos reflexos, o que costuma causar acidentes de trânsito”, enumera.

Por isso, quem está com dificuldade para dormir ou costuma ter insônia deve conversar com um médico sobre o assunto para realizar exames e fazer o tratamento adequado.


As preocupações estão tirando o seu sono?
  • Rê Campbell / Foto: Getty Images 


reportar erro