Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de setembro de 2019 - 00:05


As duas fontes

Leia a mensagem de hoje do livro “O Pão Nosso para 365 dias”

“Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso? Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce.” (Tiago 3.11,12)

Há duas fontes de poder nesse mundo: a do Bem e a do mal. A fonte do Bem flui vida pelo Espírito de Deus e a do mal flui morte pelo espírito das trevas. As duas fontes são forças espirituais que têm agido neste mundo através de instrumentos humanos. O espírito necessita de corpo para se manifestar no mundo. Tanto o Espírito do Bem quanto o do mal, necessitam do corpo humano para se expressarem.

Enquanto o Espírito de Deus procura pessoas de caráter para semear o bem entre as nações, o espírito do mal busca pessoas sem caráter para usá-las como pedófilos, assassinos, estupradores, corruptos, enfim, malfeitores para semear o mal entre as nações. Seu objetivo é fazer os povos desacreditarem da existência do Deus Justo, Santo e Misericordioso.

A questão é: por que as forças malignas têm sido mais atuantes no mundo do que as benignas? Porque os obreiros do mal são a maioria no mundo. Já os obreiros do Bem, instrumentos do Espírito do Bem, são poucos. Porque poucos têm assumido compromisso com o Caminho, com a Verdade e com a Vida eterna. Assim, o mundo fica à mercê o espírito do mal.

Não adianta apenas olhar para a atuação do mal neste mundo e sentir pesar, sentir tristeza, sentir medo ou mesmo sentir indignação. Nenhum sentimento resolverá o problema ou trará algum alívio àquele que sofre as consequências do mal. A maneira mais eficiente de neutralizar a ação do mal é por meio da ação do Espírito do Bem. Para isso, é imprescindível que os obreiros do bem não desistam da batalha e estejam sempre firmes, trabalhando para resgatar aqueles que se acham perdidos.

(*) Fonte: livro “O Pão Nosso para 365 dias”, do Bispo Edir Macedo


  • Redação (*) / Foto: Thinkstock 


reportar erro