Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de julho de 2018 - 03:05


A paz que ela buscava já estava ao seu alcance

Raquel sempre frequentou a Universal, mas enfrentava problemas espirituais e um grande vazio interior

Raquel Andrade, de 19 anos (foto abaixo), procurou incansavelmente algo que preenchesse o vazio que sentia. A jovem frequentou a Universal desde pequena, sempre incentivada pela mãe. Na adolescência, entretanto, ela começou a se questionar. “Eu queria ser igual às minhas amigas. Eu estava na Igreja, orando, sabendo que existe um Deus, e não era feliz. As minhas amigas não iam à Igreja, se relacionavam com várias pessoas, usavam roupas chamativas e pareciam muito felizes.”

A jovem tentou buscar a felicidade que as amigas externalizavam, mas logo percebeu que a paz que elas sentiam não era verdadeira. Isso só aumentou sua frustração. Por anos, Raquel sofreu com perturbações espirituais, crises de nervosismo e pânico. “Eu tinha medo do escuro, de dormir, tinha muitos pesadelos, ouvia vozes. À noite sentia alguém me tocando, algo puxando minhas pernas”, recorda.

Raquel sofreu mesmo frequentando a Igreja. “Eu ia para agradar à minha mãe, mas não queria obedecer o que era pregado. Estava na Igreja e não era liberta porque não buscava a Deus com sinceridade”, explica.

A situação foi se agravando e se tornou insuportável. Como consequência do vazio e da angústia que sentia, ela desenvolveu bulimia. “Eu me achava feia, me olhava no espelho e não gostava do que via, me via gorda. Tudo o que eu comia eu tentava jogar para fora, para não engordar”, menciona.

Por não aguentar mais essa situação, Raquel decidiu de uma vez por todas se entregar a Deus. “Participei das Reuniões de Libertação com sinceridade, me batizei nas águas, comecei a buscar a Deus de fato e fui seguindo as orientações dadas”, relata.

Hoje a jovem tem uma vida totalmente diferente. “Aprender a obedecer foi fundamental para o meu desenvolvimento na vida com Deus. Alcançar a Salvação foi a minha verdadeira felicidade”, conta.

Raquel, agora, tem motivos para sorrir. A paz em seu interior é verdadeira. Ela encontrou o que precisava nAquele que sempre esteve por perto. “Entendi que com Deus eu tudo posso. Quando eu recebi o poder do Espírito Santo, tive a força, a certeza e a segurança de que tudo sempre vai ficar bem”, finaliza.


  • Por Camila Dantas / Fotos: Demetrio Koch  


reportar erro