Rede aleluia
“A minha alma gritava por socorro”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de outubro de 2020 - 00:05


“A minha alma gritava por socorro”

Aos 13 anos, Esther Mendonça já era viciada em drogas, se prostituía e tinha depressão. Saiba como sua vida mudou completamente

“A minha alma gritava por socorro”

A jovem Esther Mendonça, de apenas 18 anos, já teve muitos problemas e viveu muitas angústias. Ainda criança, ela frequentava a Igreja, mas, aos 11 anos, começou a desejar o que seus olhos lhe mostravam do mundo. “Eu queria ter amigos e, pouco a pouco, comecei a ir para o mundo e me afastei de Deus. Conheci muitos jovens como eu e logo comecei a me automutilar, como uma forma de escape. Eu fazia o que todos faziam.”

“a minha alma gritava por socorro”

No início da adolescência, Esther passou a consumir drogas, como maconha e o loló (composto com substâncias parecidas às do lança-perfume). “Eu saía de casa na sexta-feira e só voltava no domingo. Às vezes, passava a semana inteira fora em luaus, raves, baladas e todo tipo de festa regada a drogas e álcool, fizesse chuva ou sol. Eu ia até doente e ninguém me parava. Eu era apaixonada por aquela vida, que me fazia feliz naquele momento. Me sentia livre para ficar com rapazes e moças, mas, no fundo, era só para ter um pouco de atenção”, afirma.

A cada dia que passava a jovem decaía mais um pouco. Ela já não estudava mais, não tinha um bom ambiente familiar e estava com depressão. Na tentativa de ser feliz e preencher seu vazio interno, Esther tomou decisões que só a deixaram ainda mais na escuridão. “Eu não conseguia mais dormir, vivia com uma tristeza contínua e as baladas não me divertiam mais. Eu ia a elas apenas para cansar meu corpo e conseguir dormir. A minha alma gritava por socorro.”

Aos 13 anos, Esther se envolveu com um traficante e chegou a se prostituir em troca de dinheiro. Seus problemas só aumentavam. “Quase morri várias vezes e vi pessoas morrerem na minha frente. Tinha crises de ansiedade todos os dias. Era um desespero enorme. Eu perdia a noção de realidade, mesmo quando não usava drogas nem bebia”, relembra.

Esther sofria muito e queria voltar para o Senhor Jesus, mas não tinha forças. Depois de ir a especialistas e procurar ajuda, ela cansou de tanto sofrimento e procurou auxílio na Universal. “Eu raciocinei e entendi que Deus ainda poderia me ajudar. Então fui para a Igreja depois de uma balada. Ao conversar com o pastor que estava ali, me entreguei a Deus, deixei todos os vícios, a prostituição e as amizades e me batizei nas águas.”

Hoje, depois de seu encontro com Deus, Esther está com seu interior totalmente transformado. “Aquela mente e todas as atitudes e desejos podres que eu tinha foram tirados. Agora tenho certeza que Deus é comigo e com Ele tenho felicidade, paz e segurança. Ele transformou a minha vida e meu interior”, completa.


“A minha alma gritava por socorro”
  • Camila Teodoro / Fotos: Cedidas 


reportar erro