Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de outubro de 2019 - 10:38


A importância do perdão para quem dá e ao que recebe

Recentes cenas exibidas na novela Topíssima, da Record TV, abordaram este tema. Acompanhe

“Errar é humano”. Quem nunca ouviu esta frase, e até a usou, tentando justificar inclusive os próprios erros. De fato, por ser imperfeita, o falhar é inerente à natureza humana. E diante dessa característica, ser perdoado é o que todo mundo almeja.

Pedir e receber o perdão de alguém, ou até mesmo recebê-lo, sem nem ao menos termos pedido, não apaga o erro cometido, mas – certamente – traz paz para um recomeço.

Recentemente, foram exibidas na novela Topíssima, transmitida de segunda a sexta-feira, às 19h45, pela Record TV, algumas cenas que retratam o efeito do perdão.

O personagem Vitor, após ter causado tanto mal a diversas pessoas, inclusive ao próprio amigo de infância – Rafael – com quem viveu na mesma casa e até incriminá-lo injustamente, teve – enfim – a sua farsa descoberta.

Porém, mesmo tendo sido tão prejudicado por aquele que se dizia “amigo”, Rafael reagiu de maneira contrária àquela situação.

Assista no vídeo abaixo a cena:

Mas, se Vitor viu o amigo Rafael reagir de modo benevolente, o mesmo não aconteceu quando – mesmo arrependido e ciente das consequências que seus erros lhe trouxeram -, pediu perdão aos pais de Jandira, a jovem com quem namorava e a incentivou a fazer um aborto, o que causou a morte dela. Ao ser julgado e condenado à prisão, Vitor se virou para a mãe da menina, Madalena, ainda no tribunal, e lhe pediu perdão. Porém, recebeu dela uma resposta curta e grossa, de que não o perdoaria.

Reveja a cena:

Mas, por que parece ser tão mais difícil quando somos nós quem precisamos perdoar?

É dando que se recebe

Muitos não perdoam àqueles que lhe fizeram mal, por acharem que, desta maneira, lhes punirá. Mas, o efeito é justamente o contrário do imaginado. Pois, quem não perdoa, também fica preso em uma “cela” emocional.

Considere o trecho da “Oração do Pai Nosso”, que fala sobre perdão:  “E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores…”

Sabendo da inclinação humana para não perdoar, Deus condicionou o recebimento do perdão Divino. Ou seja, só somos perdoados por Ele, se também perdoamos àqueles que erram conosco.

Ainda que o erro cometido pelo próximo tenha causado uma dor imensa e/ou uma perda irreparável e, aparentemente, imperdoável.

Liberando o perdão

Maria de Fátima Faria (foto ao lado), de 49 anos, sabe muito bem o quanto é difícil perdoar em situações em que houve a perda de alguém que se amava.

Onze anos atrás ela recebeu a notícia que nenhuma mãe merecia: a de que seu filho, na época com 20 anos, havia sido baleado e morto.

Receber a notícia foi muito doloroso, sem explicação. Perdi o chão”, relembra.

Diante daquela dor, ela pensou em não perdoar. Contudo, algo a fez repensar. “Entendi que precisava liberar perdão para obedecer ao que o Senhor Jesus havia ensinado. E, a partir dali, perdoei”, conta.

Maria reconhece que a maior beneficiada com esta atitude foi ela mesma. “Hoje tenho paz, não fico presa ao passado, porque vi que esse sentimento de mágoa não me levaria a lugar nenhum e, sim, me faria sofrer ainda mais”, concluiu.

Como perdoar?

Esta tem sido a dúvida de muitas pessoas, por acharem que o perdão é algo que se sente primeiro, para depois conseguir dar.

Recentemente, o Bispo Edir Macedo gravou um vídeo respondendo este questionamento de uma internauta.

O Bispo compartilhou uma experiência que viveu, na década de 90, período em que a Universal sofreu intensas perseguições.

Diante das traições de pessoas muito próximas, o Bispo recorda que o Espírito Santo lhe mostrou o quanto ele estava se inclinando a guardar mágoas daqueles que o traíam e caluniavam, e o alertou que era isso que o diabo queria. “O diabo queria que eu me inclinasse para o ódio e a mágoa, para que eu não tivesse perdão e a minha vida fosse fracassada”, explica.

Então, sabendo que o coração é enganador, o Bispo conta como agiu daquele momento em diante.

Assista no vídeo abaixo o que o Bispo Macedo fez para perdoar essas pessoas:

Comunhão com Deus

Se é impraticável – sem perdão – o relacionamento entre as pessoas, imagine, então, entre o ser humano e Deus?

Perdoar é reconhecer que, na condição de pecadores que somos diante dEle, precisamos também de perdão. E, por isso, perdoamos a quem quer que seja, ainda que esta não seja a vontade do nosso coração.

Mais do que um bom relacionamento com as pessoas, perdoar desenvolve a sua comunhão com Deus.

Não perca os próximos capítulos de Topíssima. Para mais detalhes, acesse o site oficial da novela, clicando aquiReveja as cenas e conheça os personagens.


  • Núbia Onara / Foto: Reprodução 


reportar erro