Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de setembro de 2019 - 12:06


A força para lidar com a perda de um filho

Veja como a fé é capaz de sustentar uma pessoa nesse momento de dor intensa

A novela Topíssima – que vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 19h45, pela Record TV – tem abordado uma série de temas polêmicos, que mexem com as emoções dos telespectadores. Dois deles foram mostrados recentemente: o aborto e pais que enfrentam a morte de um filho. É o caso das personagens Jandira (Brenda Sabryna) e Madalena (Denise Del Vecchio).

Após tentar o aborto numa clínica clandestina, Jandira morre, deixando a família completamente desolada.

Veja no vídeo abaixo a cena em que a mãe recebe a notícia:

Assista também o momento em que Madalena fala com Zeca sobre a dor da perda de um filho:

Vida real

Seria possível uma pessoa perder um filho e não se desesperar? A experiência da representante comercial Luciana Faria Negrão (foto abaixo, com o filho), de 48 anos, mostra que sim. Em fevereiro de 2018, seu único filho, Thiago Negrão, de apenas 18 anos, contraiu febre amarela. Enquanto servia o exército em outro estado, o jovem foi picado e em uma semana faleceu.

Quando recebeu a notícia, surpreendentemente, Luciana teve paz. “Meu maior desejo era a Salvação da alma dele e tive a certeza de que ele foi salvo. Deus me deu uma paz interior muito grande”, diz.

Mas, apesar de ter paz, não significa que seria fácil enfrentar esse momento. Ela também teria de enfrentar o julgamento de familiares e a saudade.

“Por eu não ter chorado ou demonstrado tristeza, diziam que eu não estava sentindo a dor da sua morte. Mas a saudade é enorme, pois o criei sozinha desde pequeno, éramos muito apegados”, conta.

Relacionamento com Deus

De acordo com Luciana, apesar da perda física do filho, o momento foi uma grande oportunidade de viver mais intensamente sua comunhão com o Senhor.

“Estou na presença dEle há mais de 22 anos e depois desta perda irreparável eu me apeguei muito mais ao Altíssimo. Nestes momentos não tem nada que possa aliviar nossa dor, somente a fé em Deus. Ele é o Único capaz de consolar, confortar, preencher o vazio que fica e nos fortalecer para prosseguir”, afirma.

Se você também enfrenta essa dor e não sabe como vencer, participe de uma reunião especial no Templo de Salomão e encontre o consolo necessário para prosseguir nesta trajetória chamada vida. Aos domingos, os encontros acontecem às 7h, 9h30 e 18h. O endereço é Avenida Celso Garcia, 605, Brás, zona leste de São Paulo.

Você também pode ir a qualquer Universal. Encontre o endereço da igreja mais próxima de sua casa, clicando aqui.


  • Rafaella Rizzo / Fotos: Getty Images - Cedidas 


reportar erro