Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 7 de janeiro de 2019 - 11:52


A escolha de Fabrízio Matsumoto o levou a ser um grande sushi chef

Assista ao vídeo e saiba mais sobre a história do sushiman, conhecido como samurai

Ele é chamado de samurai. Símbolo de disciplina, lealdade e habilidade com as lâminas. O sushi chef Fabrízio Matsumoto sente-se orgulhoso do apelido porque acredita que tem tudo a ver com ele. Hoje, ele é um exímio profissional no que desempenha. Mas, por pouco, quase não segue esse caminho.

Fabrízio foi baterista de uma banda de música popular. Já tinha destreza com as mãos. Porém, chegou um momento na vida que ele teve que escolher entre ser músico ou se tornar um sushiman (profissional da gastronomia especializado nas técnicas de preparo de pratos tradicionais da culinária japonesa). A decisão foi tomada. Quando estava para abrir o próprio restaurante, foi para Nova Iorque, nos Estados Unidos, aprendeu novas técnicas e como lidar com novos ingredientes.

Zelo e dedicação

Contudo, uma das prioridades de Fabrízio, ele não aprendeu na escola. Quando era mais jovem, o pai dele levou a sua família a um restaurante japonês, em uma época que essa comida ainda era muito cara. Como eles não tinham poder aquisitivo, pediram o prato mais barato do cardápio. Mas, por preconceito pela condição financeira da família, a comida nunca chegou até a mesa deles.

Ele levou essa experiência para a vida e, hoje, como profissional no seu restaurante, zela muito por um bom atendimento. Na culinária japonesa também é muito importante a preocupação com a qualidade dos produtos naturais (peixes crus, legumes e verduras, por exemplo) e com a apresentação da comida. Diante dessa necessidade, Fabrízio sempre foi um profissional muito cauteloso e dedicado.

“Eu escolho a matéria-prima dos meus pratos como eu faço as escolhas da minha vida. A minha cozinha, o meu restaurante e a minha família são frutos da minha dedicação pessoal”, afirma o sushiman. Além disso, ele conhece os clientes pelo nome e faz questão de recebê-los muito bem.

Quer saber mais sobre a história deste sushi chef? Assista ao vídeo abaixo:

Gostou de conhecer a trajetória pessoal e profissional de Fabrízio Matsumoto? Então, acesse aqui e conheça outras histórias inspiradoras.


  • Redação / Foto: Reprodução 


reportar erro