Rede aleluia
“A depressão me tirou a vontade de viver”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Abril de 2021 - 22:19


“A depressão me tirou a vontade de viver”

Lidiane era uma jovem angustiada e chegou a desejar a morte. Conheça a sua história

“A depressão me tirou a vontade de viver”

Considerada o “mal do século” pela Organização Mundial da Saúde, a depressão ainda é um desafio para médicos e pacientes. Ela é caracterizada pela perda ou diminuição de interesse e prazer pela vida, gerando angústia e prostração, algumas vezes sem um motivo evidente.

Esse transtorno atinge pessoas de qualquer idade, classe social ou raça. Hoje se sabe que a depressão não apenas traz uma sensação de infelicidade, mas também incita alterações fisiológicas, como baixas no sistema imune e o aumento de processos inflamatórios.

Mas entre tantos problemas causados pela depressão, devemos ressaltar a história de quem venceu a doença, como a da jovem Lidiane.

Ela relata que ainda criança, além de ver vultos e ouvir vozes, ela não tinha vontade de se relacionar com outras crianças, isso porque ela e sua família passavam por muitas necessidades.

“Eu sofria muito bullying na escola por não ter a mesma condição financeira que as outras crianças; cheguei a ficar com fome, pois não tinha dinheiro para comprar um lanche”, relembra.

Quando chegou à fase da adolescência, Lidiane resolveu formar uma família e com apenas 14 anos, diz, “saiu de casa para realizar esse sonho”.

“Após três anos morando com um rapaz, minha vida virou de cabeça para baixo: passei a ser uma pessoa angustiada e cheguei a desejar a morte, não saía de casa e a depressão me tirou a vontade de viver”, relata.

Quando soube da situação de Lidiane, uma amiga – que já frequentava a Universal – lhe fez um convite para participar de uma reunião na sexta-feira. Ela resolveu aceitar e após o culto, destaca, ela já se sentiu mais leve.

Saiba o que aconteceu com ela, assistindo ao vídeo abaixo:

ATENÇÃO: desde 18 de abril, devido à nova “fase de transição” das medidas restritivas diante da pandemia, no Estado de São Paulo, as igrejas voltaram a realizar cultos presenciais, com 25% da capacidade. Saiba mais. Confira os horários aqui.


“A depressão me tirou a vontade de viver”
  • Sabrina Marques / Foto: Reprodução 


reportar erro