Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de fevereiro de 2019 - 00:05


A decisão que muda uma história completamente

Davi dos Santos teve a vida transformada e deixou para trás as drogas e a prostituição

Davi dos Santos, de 26 anos (foto ao lado), cresceu entre muitos conflitos e traumas. Sua infância foi marcada pelos vícios e brigas entre os pais. “Aos 13 anos tive o meu primeiro desejo e contato com homens. Quando meus pais descobriram, os problemas em casa se agravaram mais ainda. Meu pai não aceitava aquilo e acabava descontando na minha mãe”, relembra.

A rejeição gerou ódio pelo pai em Davi. “Por causa desse sentimento, desenvolvi depressão e tentei me suicidar pela primeira vez. Meu objetivo a partir daquele momento era provocá-lo ainda mais.”

O jovem passou a dormir várias noites fora de casa. “Nessas saídas, um amigo me apresentou a maconha. Fumei o primeiro ‘baseado’ e gostei. A partir daquele momento me lancei no mundo das drogas e logo estava viciado em cocaína. Eu tinha 15 anos”, lembra.

Até que, ao entrar para uma determinada religião, ele descobriu que tinha sido vítima de um ritual espiritual. “Por causa dos sentimentos ruins que eu tinha, logo quis saber como poderia revidar aquele mal. Me disseram que eu teria que fazer um pacto e entregar a minha vida nas mãos daquele espírito. Eu aceitei.”

Nesse pacto ele precisou ficar durante três meses em um lugar fechado e sem contato com a família. “Depois de cumprir o ritual, fiquei por oito anos frequentando essa religião e logo em seguida foi despertado em mim um desejo de fazer shows vestido de mulher”, afirma.

Davi chegou a se prostituir. Ele estava tão viciado que não pensava mais em dinheiro. “Não me prostituía mais por dinheiro. Já estava viciado em sexo. Eu não podia ver um mendigo na rua que queria ter relação sexual com ele”, relembra o jovem, que vivia sufocado pela tristeza da vida que levava, entrou em depressão profunda e pensou até em suicídio.

Ao se relacionar com um traficante e depois de uma briga com ele, Davi foi ferido na perna com uma faca. “Ver o meu sangue correndo foi o meu fundo de poço. Percebi que na verdade ele queria me matar. Então, em um dia que ele viajou, eu fugi de onde morava e voltei para a casa da minha mãe.”

A decisão de mudança
Davi já conhecia o trabalho realizado pela Universal, mas afirma que não levava a vida espiritual a sério. “Eu sempre pensava no que meus amigos iam achar de mim ao aceitar Jesus, mas, olhando para a minha vida e para a situação em que estava, ao receber o convite da minha irmã, decidi ir.”

A partir disso, por querer sair daquele sofrimento, o jovem decidiu se entregar a Deus. “Aquele dia já percebi a diferença dentro de mim e decidi que nada nem ninguém mudaria minha decisão. Ao receber o Espírito Santo, eu tive a verdadeira felicidade dentro de mim e o poder de Deus.”

Hoje, o jovem reconhece que tem uma vida totalmente transformada e o seu interior restaurado. “Agora sou feliz de verdade. Não preciso das drogas, tenho paz. Deus me mostrou o meu valor.”


  • Camila Dantas / Fotos: Cedida e Mídia FJU/Bahia 


reportar erro