Rede aleluia
Falso: Bispo Macedo indicou substituto de Regina Duarte para o presidente Bolsonaro
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Mitos e Verdades | 6 de maio de 2020 - 15:04


Falso: Bispo Macedo indicou substituto de Regina Duarte para o presidente Bolsonaro

Falso: Bispo Macedo indicou substituto de Regina Duarte para o presidente Bolsonaro

Mito: ​Uma revista eletrônica divulgou o diálogo da secretária especial de Cultura, Regina Duarte, com uma assessora. De acordo com o áudio, a auxiliar afirma que o Bispo Edir Macedo teria “indicado um sujeito” ao presidente Jair Bolsonaro, para substituir a atriz no cargo.

A notícia foi rapidamente reproduzida por toda a Imprensa e se tornou um dos assuntos mais compartilhados e comentados nas redes sociais.

Verdade:​ O Bispo Macedo jamais tratou ou trataria desse tema com o presidente da República.

A Imprensa deveria cumprir com seu papel e, antes de espalhar uma acusação séria como essa, apurar os motivos que levaram a assessora a inventar a história, ou de quem ela ouviu a mentira.

A Universal repete o alerta: não divulgue fake news. Quem as compartilha também pode responder na Justiça pelo ataque à honra dos atingidos.


reportar erro