Rede aleluia
Justiça condena Alfredo Paulo a pagar R$ 1,8 mi por calúnias contra a Universal
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Imprensa | 12 de abril de 2019 - 14:46


Justiça condena Alfredo Paulo a pagar R$ 1,8 mi por calúnias contra a Universal

Ex-bispo, foragido da Justiça, ainda deverá publicar oficialmente pedido de desculpas a quem ofendeu

Justiça condena Alfredo Paulo a pagar R$ 1,8 mi por calúnias contra a Universal

Há algum tempo, Alfredo Paulo, ex-bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, tem caluniado bispos e pastores da Universal, além da própria instituição. Movido por um ódio evidente em suas publicações, o ex-bispo fez afirmações mentirosas com o intuito de manchar o caráter de vários oficiais da Igreja.

 

Alfredo foi bispo da Universal até o final de 2013. Sua saída foi motivada pela prática do adultério e o envolvimento com prostitutas — condutas que tornaram insustentável a sua permanência no corpo eclesiástico da Universal.

 

Porém, a Justiça do Rio de Janeiro acaba de condenar Alfredo Paulo a voltar atrás, publicamente, das falsidades que espalhou contra oficiais da Universal, além de obrigá-lo a parar de publicar ofensas contra a instituição e seus membros. Ele também foi condenado a pagar multas e indenizações que já ultrapassam R$ 1,8 mi.

 

Os ataques de Alfredo condenados pelo Judiciário têm como alvos os Bispos Edir Macedo, Romualdo Panceiro, Honorilton Gonçalves, Darlan Ávila e Maurício Campos, entre outros. A dor que ele provocou nas famílias dos bispos e nos milhões de fiéis da Universal não pode ser medida nem pelas indenizações milionárias que precisará pagar, ou mesmo por uma possível pena de prisão. Por seus atos, o ex-bispo ainda responde a 16 processos cíveis e criminais movidos por suas vítimas e pela Universal.

 

A Universal lamenta profundamente a necessidade de recorrer ao Poder Judiciário para assegurar a verdade e as devidas reparações. Ressalte-se que todos os valores de indenização recebidos serão revertidos para as obras sociais da Instituição.

 

A Igreja tem compaixão por Alfredo e outros que optaram por fazer da mentira uma profissão. Mas, em nome da verdade que deve prevalecer, é obrigada a continuar na busca pela justiça nos tribunais.

 

Este também é o sentimento de inúmeros fiéis que, por todo o Brasil, entraram com processos contra Alfredo, por se sentirem pessoalmente atingidos pelas ofensas lançadas por ele. Uma destas ações, por exemplo, julgada pela Justiça do Pará, determinou que o ex-bispo pague uma indenização de R$ 5.000 a uma advogada que entendeu que os vídeos publicados por Alfredo menosprezam os adeptos da Universal, que seriam “incapazes de perceber as supostas fraudes e encenações”.

 

A condenação

 

A Justiça determinou que o pedido de desculpas de Alfredo deverá ser divulgado nos canais que mantêm no YouTube, nas páginas no Facebook e em seu blog. Ele também pagará pela publicação da retratação em dois jornais de grande circulação. Caso não cumpra esta determinação, ficará sujeito à multa diária.

 

Para a juíza Raquel de Oliveira, titular da 6ª Vara Cível Regional do Rio de Janeiro (RJ), as mentiras de Alfredo Paulo violaram a honra e a reputação da Universal. Ele também desrespeitou a propriedade intelectual da Instituição, ao utilizar vídeos e imagens de autoria da Igreja para forjar suas acusações.

 

O ex-bispo foi “abusivo e excessivo” nas críticas e, assim, “ultrapassou o limite do seu direito legítimo de livre manifestação, causando intenso e repetido abalo à imagem da Instituição”, explicou a magistrada.

 

Além do pedido público de desculpas e das multas pelos vídeos que continuou publicando, Alfredo também foi condenado a pagar R$ 50 mil – acrescidos de juros – como indenização pelos danos morais causados à Universal.

 

Caso o sentenciado continue a descumprir as decisões judiciais, a Justiça do Rio de Janeiro tomará o patrimônio dele e imporá restrições de crédito a seu nome na praça.

 

Alfredo ainda responderá a uma ação penal por crime de desobediência, em razão do descumprimento reiterado da ordem judicial que determinou que ele jamais produzisse outros vídeos caluniando a Universal.

 

Outra consequência é que o ex-bispo da Universal poderá ser enquadrado em crime de intolerância religiosa, o que pode resultar em um pedido de prisão cautelar e uma condenação criminal.

Processo: TJ-RJ 0036597-77.2016.8.19.0203


Justiça condena Alfredo Paulo a pagar R$ 1,8 mi por calúnias contra a Universal
  • UNIcom / Fotos: Cedidas 


reportar erro