Rede aleluia
Victor Matos – Engenheiro Capilar
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Victor Matos – Engenheiro Capilar

Minha História

 

Sou o Victor Matos, o Engenheiro Capilar. Luto pelo que acredito e meu segredo é a perseverança. Eu sou a Universal!

Até a viagem mais longa começa com o primeiro passo. Na vida, é a mesma coisa.

Todo escritor famoso começou seu primeiro livro com a primeira palavra escrita. Todo construtor, antes, precisou aprender a assentar tijolos.

No trabalho, mesmo as grandes carreiras, começam de baixo.

Victor Matos Braga ainda não sabia qual caminho seguir. Como a maioria das crianças, queria ser jogador de futebol. Na adolescência, sonhou ser advogado. Mas, desde pequeno, sabia o que era trabalho e a importância de ganhar o próprio dinheiro.

 

 

Primeiros passos

 

Aos 11 anos, Victor já ajudava o pai em uma marcenaria. Ainda garoto, foi trabalhar na cantina da escola onde estudava. Até ali, nada indicava o caminho que se abriria para ele.

 

Dispensado da cantina, o jovem foi atrás de um novo emprego, e surgiu uma oportunidade na barbearia de um amigo. Victor não enxergou ali apenas um ganha-pão, mas a chance de aprender uma profissão.

 

Na barbearia, ele limpava o banheiro, varria o chão, lavava cabelos, passava os produtos, colocava a capa e servia os clientes. Fazia tudo isso de graça, sem receber salário, porque queria se tornar um barbeiro.

 

Primeiras ladeiras

 

Nem a família acreditava na escolha profissional de Victor. Sua mãe dizia que ele deveria se especializar, fazer uma faculdade ou buscar algo mais concreto. Ela achava que a opção do filho era muito incerta.

 

Além disso, o aprendiz de barbeiro não tinha os recursos necessários para praticar, e precisava recorrer a materiais e equipamentos emprestados.

 

Victor até pensou em desistir, mas continuou firme.

 

 

Com o passar do tempo, foi adquirindo as habilidades necessárias para atuar na área. E os rendimentos com os primeiros cortes de cabelo lhe trouxeram recursos financeiros e a possibilidade de alugar uma cadeira no salão. Ele não parava de aprender e se aperfeiçoar.

 

Primeiras quedas

 

Um dia, pilotando uma moto, Victor sofreu um acidente e ficou com o rosto todo desfigurado.

 

“Esse foi o momento mais marcante da minha vida, porque eu quase morri e foi como um divisor de águas para que eu pudesse aprender e ver que eu precisava me entregar para Jesus”, lembra Victor.

 

O barbeiro conta que, até então, conhecia a Palavra e a Universal, “mas não levava muito a sério. “Depois que eu vi que poderia morrer e perder a minha Salvação, me entreguei de fato e de verdade para Deus”.

 

 

 

Rumo ao topo

 

Ao longo de seis anos na área, Victor trabalhou com outras pessoas e em outros estabelecimentos até abrir a própria barbearia, a “Engenheiro Capilar Barbershop”.

 

 

Com apenas 22 anos de idade, Victor Matos Braga é o ex-aprendiz que agora é um mestre na tesoura e na navalha. Profissional e empresário de sucesso, tem a agenda cheia de compromissos e muitos projetos de expansão dos negócios. Ele é a Universal!