Rede aleluia
Bruno Dal Bello – Faixa preta Kung Fu
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bruno Dal Bello – Faixa preta Kung Fu

Minha História

 

“Eu sou o Bruno Dal Bello. Sou engenheiro mecatrônico e tenho pós-graduação MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Eu sou a Universal!”

Descobri que qualquer um pode mudar sua história, independente das dificuldades.

Tenho 27 anos. Sou engenheiro mecatrônico e tenho pós-graduação MBA em Gestão Estratégica de Negócios.  Trabalho em um grupo multinacional alemão com o desenvolvimento de produtos e aplicações para o mercado automotivo de reposição da América do Sul. É um trabalho interessante e dinâmico, mas ao mesmo tempo, muito exigente. Preciso estar antenado com novidades e lançamentos do mercado automotivo.

 

Sou de origem simples, por isso muitos perguntam como consegui me tornar um engenheiro. Essa é a melhor parte. Devo isso à Deus e ao meu pai. Ele sempre trabalhou muito. Pela manhã na feira livre, lutando intensamente para manter a família e, durante a noite, na faculdade, somente para que eu pudesse ter uma bolsa de estudos. Uma vida difícil, entretanto, o sacrifício do meu pai pela minha formação me estimulou a estudar e a querer fazer a diferença.

 

Esporte foi fundamental

 

No meu caso foi muito difícil encarar a faculdade, principalmente no início, pois terminei meu ensino médio em escola pública e cheguei sem nenhum preparo. Não pensei em desistir, mas fiquei assustado com os cálculos no curso de engenharia. Na primeira semana de aula conversei com um professor sobre minhas dificuldades, mas ele me incentivou dizendo que havia chegado da mesma forma e que se tornou professor nesta área. Aquilo mexeu comigo!

 

Sabe, é um pouco do que aprendemos no Kung-Fu: disciplina e persistência. Decidi que a partir daquele dia seria um dos melhores da turma e passei a estudar determinado, todos os dias, por muitas horas!

 

Uma frase me preparou para o futuro

 

Acredito que as lutas do passado também me motivaram a buscar mudanças. Minha infância foi de dificuldade e muito esforço. Nunca faltou o alimento, mas precisei começar a trabalhar cedo, aos 13 anos. Eu acompanhava meu pai na feira livre. Acordava de madrugada todos os dias, como estudava a noite, ia dormir muito tarde. Eu ouvia meu pai dizer: “temos que matar um leão por dia e deixar o outro amarrado para o dia seguinte”. Essa frase me fazia entender que para vencer era necessário lutar, e lutar muito, de forma feroz. O meu pai estava certo!

 

Não me envergonho do meu passado, pelo contrário, tudo contribuiu para que eu pudesse ser quem hoje eu sou.

 

Minhas conquistas foram acontecendo gradativamente. Aos 22 anos consegui quitar meu primeiro imóvel. Foi uma felicidade! Conquistei independência financeira e uma profissão que me realiza. E tem algo que não deixo de fazer, continuar estudando. Falo o inglês e o espanhol fluentemente.

 

 

Porém eu não poderia me considerar completo se não tivesse uma família. Essa é a minha maior conquista. Sou muito bem casado. Eu e Bruna nos completamos, somos amigos, unidos. Acho até que ninguém é mais feliz que a gente.

 

 

Faixa preta em Kung-Fu

 

 

Como todo mundo tem um hobby, comigo não é diferente. Uma das minhas maiores paixões é o esporte, principalmente artes marciais. Sou faixa preta em Kung-Fu que comecei a treinar ainda na infância. Gosto também de música e de tocar violão.

 

Dou graças a Deus pela minha família, ela sempre esteve ao meu lado. Meus pais me ensinaram o que era correto e íntegro, e hoje somos fortes, porque estamos juntos. Eu tenho uma família feliz!

 

 

Eu sou o Bruno Gregório Dal Bello. Descobri que qualquer um pode mudar sua história, independente das dificuldades. Basta querer. Isso é ter fé!