Rede aleluia
A melhor época da minha infância
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 8 de setembro de 2020 - 16:09


A melhor época da minha infância

Ela tinha tudo para ser a pior época, mas tantas coisas boas aconteceram

A melhor época da minha infância

Já era difícil fazer novas amizades e com a mudança de escola no meio do ano então, lá fomos nós para mais um ambiente diferente, onde a maioria das crianças já se conhecia desde o jardim da infância. E para contribuir com a estranheza toda, peguei piolho numa época em que os remédios não funcionavam muito bem, resultado: um ano com piolho na cabeça! Minha mãe cortou meu cabelo todo e cheguei a ser chamada de caroço de manga. Você pode imaginar como o complexo de feia só aumentou…

Nessa época, minha bronquite asmática também piorou e comecei a tomar remédios fortíssimos, e a sofrer de sonambulismo. Acho que foi a pior época da minha infância, mas por incrível que pareça, a melhor também. Se por um lado eu passei por vários “trauminhas”, por outro, aprendi a andar de bicicleta, a nadar, a apreciar a natureza (tudo bem que desloquei meu braço, mas valeu a pena ) ganhei uma festa de aniversário linda e pra fechar com chave de ouro, ganhei uma viagem pra Disney World com toda minha família.

Eu e Vivi ficamos tão felizes que iríamos passear em família que fizemos até uma música pra cantar até o dia da viagem. Cantávamos todos os dias: “Tá chegando a hora, Viviane, Cristiane, Papai e mamãe, vão pra Disney!”.

Chegamos lá na Disney e parecia que estávamos no mundo das maravilhas, tudo era lindo e encantador, até a máquina de fazer gelo no hotel! Eu e Vivi pegávamos gelo toda hora, já que era de graça. Pensa numa criança que aproveitou cada minutinho daquela viagem! Nós não queríamos nem dormir, mesmo super cansadas, enfrentando filas enormes, comendo mal, estávamos tão felizes, mas tão felizes, que a nossa alegria não deixava a gente reclamar de nada.

Foi-se a época em que as crianças viam o sacrifício de seus pais e apreciavam cada momento desses. Hoje, quando vejo filhos reclamando de qualquer coisinha que lhes falta, vejo o quanto a minha infância limitada me fez bem. Filhos que não apreciam o que seus pais lhes dão se tornam adultos mimados, que não sabem conquistar nem valorizar o que realmente importa.


A melhor época da minha infância
  • Cristiane Cardoso / Foto: Arquivo pessoal 


reportar erro