Rede aleluia
Onde está a resposta que você quer?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Fevereiro de 2021 - 20:19


Onde está a resposta que você quer?

A técnica em óptica e estudante de medicina Flávia da Silva Fernandes Nadoti buscou no Altar a transformação que tanto procurava

Onde está a resposta que você quer?

Flávia da Silva Fernandes Nadoti, de 37 anos, e o empresário Cleiton Monteiro Nadoti, de 38 anos, são pais de Kathleen, de 16 anos, e de Kevin, de 11 anos (foto acima). Flávia chegou à Universal há 26 anos, levada pelo seu pai e motivada pela leitura de um exemplar da Folha Universal.

Ela é casada há 19 anos, mas nos três primeiros anos de casamento viu seu esposo se desviar da Fé, pois ele se tornou viciado em jogos e games. “Assim começaram os problemas no meu casamento. Ele permaneceu 11 anos no vício, chegou a se tornar colecionador e gastou um valor que daria para comprar um apartamento de luxo. Enquanto isso, passávamos necessidade em casa. Cheguei até a ficar doente com anemia por causa daquela situação”, recorda.

A filha do casal, Kathleen, teve uma infância em que só a mãe era presente. “Estávamos sempre juntas, a levava para passear e tentava disfarçar meu sofrimento e a minha dor. Porém, por mais que tentasse, a Kathleen começou a perceber. Muitas vezes ela me via chorando por causa da situação e das nossas necessidades. Por vezes eu deixava de comer para dar a ela. O Cleiton prometia que ia mudar e nunca parava. O Kevin nasceu e eu achei que a situação mudaria.”

Aos 10 anos, Kathleen entrou em depressão. “O quarto dela era rosa, mas ela queria um quarto preto. Nesse período, ela começou a se envolver com más amizades e a se mutilar. Ela virou gótica. Eu ouvi várias vezes da Kathleen que a melhor solução para ela seria a morte”, conta Flávia.

Já Kevin passou a ter um comportamento de rebeldia. “Ele começou a ter manias, como lavar a mão toda hora, e tinha medo na hora de dormir pois via vultos e levantava gritando. A Kathleen via vultos também, ouvia vozes e se imaginava dentro de um caixão”, recorda.

PROBLEMAS?
Como Flávia, muitas pessoas enfrentam dias de pesadelo, apesar de frequentar a Igreja. “Eu pensava no que poderia estar fazendo de errado e, muitas vezes, não entendia o porquê daquela situação. Ainda assim, nunca pensei em desistir. Se não fosse a Presença de Deus em minha vida e a busca por Ele todas as quartas e domingos, eu não teria amparo nem apoio espiritual”.

FÉ DESPERTADA
A Fé conflitava com a emoção e os sentimentos de mãe de Flávia. “Eu comentava a situação com meus familiares, mas eles não podiam me ajudar. Meu erro era focar no emocional. Cheguei a ouvir que deveria apoiar a Kathleen por ela ser gótica, gostar de ocultismo, que deveria aceitar e simplesmente amá-la do jeito que ela era. Foi quando parei de olhar pelo lado de mãe, emocionalmente, e passei a olhar pelo lado da Fé. Comecei por etapas e primeiro me fortaleci espiritualmente. Busquei por mim e depois pelo meu esposo, pois ali estava o exemplo, a base para a educação dos nossos filhos. Fiz um voto com Deus em uma Fogueira Santa. Fui para o Altar. Houve um milagre na vida dele, que despertou espiritualmente, começou a ser mais presente e voltou para a Fé. Em um Jejum de Daniel, ele recebeu o Espírito Santo. Ali, eu vi um novo homem.”

A filha deles, porém, estava no fundo do poço. “Ela estava em depressão total, acabou desenvolvendo síndrome do pânico e transtorno de ansiedade e os tratamentos não estavam resolvendo. Ela chegou a bater a cabeça 30 vezes na parede e a cabeça inchou”, relembra Flávia, que seguiu firme nos propósitos de Fé, entre eles o uso do
óleo consagrado.

TRANSFORMAÇÃO
Não levou muito tempo para que Kathleen reconhecesse que estava sofrendo. “A convidei para participar do encontro dos jovens e a mensagem da reunião atingiu a alma dela. Ela chegou em casa decidida a se batizar. Hoje ela é uma nova filha, transformada”, diz Flávia.

Há um ano, Kathleen recebeu o Espírito Santo e conta que tudo mudou: “eu sentia uma angústia terrível e não entendia por que me sentia tão abandonada por tudo e por todos. Era horrível deitar e desejar não acordar nunca mais. Hoje deito e desejo: ‘Senhor, se tiver um amanhã, porque não sei que dia o Senhor voltará, que ele seja bom'”, afirma.

Para Flávia, a Fé é a base de tudo. “Não foi fácil, mas o que me manteve de pé foi a perseverança. Já éramos obreiros e, às vezes, aconselhávamos pessoas com o mesmo problema que o nosso. Então injetamos o aquele mesmo Espírito em nós: o da Fé. Hoje, somos financeiramente abençoados, temos nossa empresa, nosso apartamento, carros, moto, etc. O Espírito Santo é a nossa base, o nosso alicerce. Tanto que, para mim, não tem dia ruim, mas de desafios. Olho as dificuldades como um desafio e lá na frente vejo a vitória. Nossa família é feliz. Deus transformou o meu
lar”, finaliza.

Neste domingo, 21 de fevereiro, termina a Semana da Salvação da Família. Se quiser saber mais a respeito, vá à Universal mais próxima e se informe.


Onde está a resposta que você quer?
  • Flavia Francellino / Fotos: Demetrio Koch  


reportar erro