Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 4 de novembro de 2019 - 10:08


Magia negra, festas e orgias

Entenda como Tatiane da Rocha se libertou das pragas que dominavam sua vida

A cabeleireira Tatiane Felippe da Rocha, de 39 anos, cresceu em um lar cristão. Sua família tinha sido libertada de vícios e de constantes brigas. Ela se recorda que era dedicada na Igreja, tinha muita vontade de ajudar as pessoas e aos 13 anos já fazia parte do corpo de obreiros da Universal.

Após oito anos como obreira, em 2001, Tatiane passou por uma situação inesperada: a morte do pai em um acidente. Ela não tinha o Espírito Santo e, por isso, não suportou a dor da perda. “No dia eu mal notei que não tinha o Consolador. Meu relacionamento com Deus era superficial, desabei com a morte do meu pai, fiquei desorientada e perdi o sentido da vida. Revoltada com Deus, eu perguntava por que Ele tinha permitido que aquilo acontecesse. Dessa forma, me afastei da Igreja e da chance de conhecer a Deus de fato.”

Durante os nove anos que esteve afastada, Tatiane conta que sofreu muito e viveu muitas situações difíceis. “Eu não podia ouvir a palavra ‘pai’ que já começava a chorar.”, conta. E assim ela foi apresentada ao espiritismo, pois acreditava que teria contato com o falecido pai.

“No começo me sentia bem ouvindo aquela voz que me dizia o que eu queria ouvir. Até que fui querendo mais, me envolvi com magia negra, festas, homossexualidade, orgias e muitas amizades que me faziam mal”, disse.

Mesmo cercada de amigos, ela sentia uma permanente tristeza. “Por dentro eu tinha um vazio que nada preenchia e sentia saudade da época em que frequentava a Igreja, mas não tinha forças para retornar.”

A entrega verdadeira
Em 2011, Tatiane recebeu um convite para participar da Caravana do Resgate, trabalho que socorre espiritualmente os que se afastaram da Presença de Deus e que foi realizado, naquela ocasião, no Estádio de Pituaçu, em Salvador.

Ao ouvir que Deus estava com saudade dela, a jovem diz que se agarrou a essas palavras. Saiu leve da vigília, teve forças de retornar à Igreja e abraçou a chance de recomeçar a vida com Deus. “Abandonei o meu passado, busquei minha libertação e tive o encontro real com Deus, recebi o Espírito Santo que preencheu o vazio que eu tinha. Hoje sou casada, completamente feliz e sirvo a Deus como obreira, mas desta vez com a verdadeira motivação de um servo: o Espírito Santo”, finalizou.

Se você está passando por alguma situação difícil, participe da Sessão do Descarrego para a remoção do estresse, depressão e carga negativa. Ela acontece todas as sextas-feiras em uma Universal perto de você.


  • Kelly Lopes / Foto: Demetrio Koch 


reportar erro