Rede aleluia
Joe Biden tenta calar os cristãos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de Fevereiro de 2021 - 00:05


Joe Biden tenta calar os cristãos

Novo presidente dos Estados Unidos começa seu mandato com medidas contra o que prega a Bíblia e promove censura velada a quem discorda delas

Joe Biden tenta calar os cristãos

A perseguição aos cristãos e conservadores se intensificou desde que o esquerdista Joseph Biden assumiu a presidência dos Estados Unidos em janeiro deste ano. Após aprovar uma série de medidas para proteger e favorecer a comunidade LGBTQIA+, implantou uma espécie de censura às vozes cristãs contrárias.

Joe Biden assinou no primeiro dia de mandato uma ordem executiva para proteger homossexuais e transgêneros contra a discriminação em escolas, no sistema de saúde, no trabalho e nos outros âmbitos sociais
norte-americanos.

É indiscutível que qualquer pessoa deve ser protegida da discriminação, mas a esquerda de Biden usa isso como cortina de fumaça para confundir a população. No documento é dito que “as crianças devem ser capazes de aprender sem se preocupar se não terão acesso ao banheiro, vestiário ou esportes escolares”. Ou seja, meninos e meninas não serão obrigados a usar banheiros diferentes, o que compromete a segurança e gera ainda mais confusão nas mentes ainda em formação, já que a medida proíbe a diferenciação entre orientação sexual e identidade de gênero.

Conforme a ordem executiva, mulheres trans podem competir em jogos e campeonatos femininos, assim como homens trans em jogos masculinos. Ryan Anderson, membro da conservadora Heritage Foundation, afirmou ao jornal norte-americano Christian Post que a ordem de Biden ameaça a “igualdade e justiça nos esportes para pessoas do mesmo sexo”, que deve ser considerada a “realidade de que homens e mulheres são biologicamente diferentes” e que esse pode ser “o fim dos esportes femininos como os conhecemos”.

Além disso, lamentou que “os planos de saúde devem pagar pelos procedimentos de transição de gênero e os médicos e hospitais devem realizá-los”, segundo a ordem presidencial.

No fim de janeiro, Biden suspendeu a proibição de transgêneros ingressarem nas Forças Armadas do país, que seu antecessor, Donald Trump, havia instituído em 2017.

As medidas esquerdistas para destruir a instituição familiar levantaram vozes cristãs contrárias, mas elas foram censuradas. Prova disso é que o Facebook bloqueou por 24 horas o perfil do professor universitário cristão Robert Gagnon, da cadeira de Teologia do Novo Testamento na Universidade Batista de Houston, no Texas, por ele ter “incitado a violência” após defender um amigo que criticou as medidas de Biden.

Gagnon disse ao Christian Post que ele e seu amigo abominam a violência e que o bloqueio “é apenas uma desculpa patética e velada para a censura de qualquer visão crítica em relação à ‘tirania trans’ sobre nossa consciência, religião e razão”. O presidente do Conselho de Pesquisa da Família, Tony Perkins, disse ao mesmo jornal que as medidas de Biden prejudicam “as pessoas de fé e organizações baseadas na fé que fornecem serviços sociais, ainda mais vitais no meio de uma pandemia” e que afetarão “os americanos comuns com valores bíblicos e conservadores”.

São os deputados e senadores (o Poder Legislativo) dos Estados Unidos que discutem, criam, mudam e aprovam leis. Perkins lembra que esses mesmos legisladores rejeitam medidas que desrespeitam princípios cristãos há décadas e considera que Biden, com suas ordens executivas, passa por cima da autoridade deles, desqualificando o Congresso e contrariando a Bíblia. E agora tenta calar quem se mostra contrário a suas medidas esquerdistas e anticristãs.


Joe Biden tenta calar os cristãos
  • Redação / Foto: Reprodução  


reportar erro