Rede aleluia
Onde foi que eu errei?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Para as Mães | 22 de setembro de 2020 - 15:09


Onde foi que eu errei?

Para ver o todo, é preciso tomar distância.

Onde foi que eu errei?

“A vantagem da maturidade é poder olhar para trás e ver o que você viveu, o que passou, onde errou e o que venceu. E em muitos momentos na vida a gente pensa que Deus não está acompanhando nossas lutas e começamos a questioná-Lo: ‘Por que estou passando por isso?’ ‘O que falta fazer?’ Já orei, já jejuei, fiz corrente… e essa situação não muda!!! O que muitos não entendem é que, quando estamos passando um problema é preciso se ‘distanciar’ dele para enxergar melhor todo o contexto em que ele acontece. É como numa pintura! Se olharmos para um quadro a distância de um palmo, só enxergamos borrões. Para ver o todo, é preciso tomar distância.” Bispo Renato Cardoso

Problemas familiares não são belas pinturas, mas é a imagem que retrata uma disfunção daquela família. E quanto mais “mergulhado” no problema, mais difícil parecerá para você a saída. Uma forma de encontrar a solução é ver por outra perspectiva. Busque entender qual foi a sua contribuição para o surgimento e a manutenção do problema do seu filho. É mais fácil acreditar que o problema está no outro do que enxergar quais são as suas atitudes que podem estar contribuindo para a manutenção do comportamento desajustado do outro. Muitos pais ignoram suas atitudes erradas (mesmo as bem-intencionadas) e procuram manter a atenção em querer consertar o erro persistente do filho, sem entender que ele pode estar REAGINDO mal a uma AÇÃO errada DOS PAIS. Avaliar suas atitudes como educador e definir como você pode ser melhor é um sinal de maturidade ou de quem está em busca desta qualidade. Outra atitude madura é saber que, mesmo ele esteja agindo diferente ou até ao contrário do que você planejou, não se deixar levar pelo desespero, questionando a Deus. Muitos pais passam a criticar, comparar, desaprovar e até rejeitar seus filhos. Se sentindo vítimas e insatisfeitos com as escolhas deles questionam-se: “Meu Deus, onde foi que eu errei?” “O que fiz pra merecer isso?”.

Podemos nos perguntar se questões como estas passaram pela mente de Jessé, pai de Davi. Ao vê-lo pastoreando ovelhas com um cajado de madeira e uma harpa nas mãos enquanto os demais filhos empunhavam escudos e espadas. Naquela época, ter um filho servindo no exército do Rei, era um privilégio de poucos e motivo de honra para toda família. Jessé ‘omitiu’ a existência de Davi e apresentou seus filhos guerreiros ao Profeta Samuel quando ele foi à sua casa para consagrar o escolhido de Deus ao trono de Israel. Jessé não sabia que Deus não vê como o homem, e Ele trabalha no Seu tempo e a Seu modo.

Não são poucos aqueles que desistem, acreditando que Deus não está ouvindo suas orações. Deus está ouvindo cada uma de suas palavras, mesmo que seus olhos não lhes mostrem isso no momento. Jessé não imaginava que seu filho Davi, pastor de ovelhas, seria o maior guerreiro de Israel. Que não só lhe daria alegria por seus feitos, mas considerado “o homem segundo o coração de Deus”. Só Ele sabe o que é melhor para você e sua família. Deus jamais nos priva dos desertos, pois é nele que somos provados, e se usarmos nossa fé e perseverança, seremos aprovados. É a Fé gerada nos desertos que nos permite andar pelo vale da sombra da morte e não temer o mal.

REFLEXÃO:

É essencial ter maturidade emocional para: Compreender certas imaturidades dos filhos; Reconhecer os erros cometidos na criação dos filhos; Coragem para mudar de atitude.
Também é preciso ter maturidade espiritual para confiar que Deus está ouvindo minhas orações e no momento certo, Ele responderá. Mesmo que não seja do modo que gostaria e sim da maneira que eu preciso, mas responderá!

PRATICANDO:

A maturidade não está ligada à idade,, ela tem muito mais a ver com a QUALIDADE das experiências que se viveu do que com a QUANTIDADE. Para muitas pessoas, a maturidade cronológica (velhice) chega antes da maturidade emocional.

Durante este mês, procure desenvolver maturidade espiritual, confiando, obedecendo e persistindo na fé em Deus. Aproveite para ​meditar em Hebreus 5: 1-10​. Nos versículos 7 e 8, leia os comentários do Bispo Macedo na Bíblia Fiel. Desenvolva maturidade emocional usando as seguintes dicas:

  • ●  Saiba ouvir. Não se apresse em falar ou tomar decisões quando alguém ou principalmente seu filho for falar contigo.
  • ●  Aprenda a se controlar: Não deixe que as emoções negativas como medo ou raiva controlem seus pensamentos e por consequência, seu comportamento.
  • ●  Assuma suas responsabilidades: Isso inclui reconhecer erros cometidos na criação dos filhos, pedir desculpas e a partir daí ter novas atitudes.

  • Colaborador: 

  • Conselheiras do Projeto Escola de Mães


reportar erro