Seja um doador de medula óssea

Da Redação / Foto: Thinkstock

Anualmente, quase 9 mil pessoas morrem de câncer por ano no mundo. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2016, o Brasil registrou cerca de 10 mil novos casos de leucemia, um tipo de câncer maligno que ocorre na formação das células sanguíneas dificultando a capacidade do organismo de combater infecções.

Apesar de uma tipagem de tumor agressivo, ele pode ser vencido - na maioria das vezes - por meio de um transplante. No entanto, para que isso aconteça é preciso que o paciente encontre alguém compatível, e a tempo, para que a doação aconteça. O mais preocupante é que a chance de o paciente encontrar um doador é uma em cada 100 mil pessoas.

No entanto, para driblar esses números e ressaltar a importância de as pessoas se tornarem doadoras, no dia 14 de dezembro, começou, em todo o País, a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea, instituída pela Lei 11.930, em 2009. O objetivo da mobilização, que está em sua 9ª edição, é desenvolver atividades de esclarecimento e incentivar a população a ser doadora. A campanha acontece até o dia 21 deste mês, mas o cadastro pode ser realizado no ano todo.

Quem pode doar

Para ser tornar um doador, procure um hemocentro – com os documentos pessoais, com foto, em mãos – mais próximo de sua casa e preencha um termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). Um dos pré-requisitos é ter entre 18 e 55 anos de idade, estar com a saúde em bom estado, não ter doença infecciosa ou incapacitante, não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (sangue) ou do sistema imunológico.

Etapas da coleta

Para a análise do perfil do doador, são coletados, em média, cinco mililitros (ml) de sangue do voluntário, e encaminhado para um teste de laboratório, onde são identificadas as suas características genéticas, usadas para uma comparação entre os dados dos pacientes que necessitam da doação.

A partir dessa coleta, todas as informações são incluídas no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME). Caso seja confirmada a compatibilidade com algum paciente, a pessoa é consultada para decidir sobre a doação. Caso aceite, outros exames serão realizados, além de uma avaliação clínica para verificar todo o histórico de saúde do voluntário. Somente após todas as etapas o doador é considerado, realmente, apto a realizar a doação.

Distribua amor ao próximo. Doe vidas.

(*) Com informações do Instituto Nacional de Câncer (Inca)

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente

Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach e Eliana Caetano

Editora de Conteúdo Web:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Maria do Rosário, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone: (11) 3321-5244

Endereço: Rua dos Missionários, 139, Santo Amaro - São Paulo (SP)

Cep: 04729-000