Quando o elogio é prejudicial

Por Redação / Fotos: Fotolia

Elogio é bom e todo mundo gosta. Ouvir palavras de incentivo e que destaquem as suas qualidades e virtudes tornam você mais confiante e, de quebra, ainda melhoram a sua autoestima. Elogiar, entretanto, pode parecer algo fácil. Mas não é.

Você se dedica ao máximo ao trabalho e não economiza esforços para cumprir a meta solicitada pelo seu chefe. O empenho é intenso e, no final da etapa proposta, o objetivo é alcançado. O seu chefe observa tudo. Ele tem duas opções: fingir que nada demais aconteceu ou elogiar o seu esforço.

Ao ressaltar o quanto a sua dedicação valeu a pena, ele estará valorizando o seu trabalho. Isso vai lhe deixar mais motivado e, certamente, vai servir de incentivo para você continuar a ter a mesma dedicação. Não é sempre bom ser reconhecido pelos nossos esforços?

“Elogiar o colaborador ou um colega é uma forma de reconhecer a atividade bem-feita e, sem dúvidas, é um incentivador. Pessoas motivadas têm melhores resultados e mais chances de alcançar os objetivos desejados”, explica Luis Testa, profissional especializado no segmento de soluções para recrutamento on-line, com mais de dez anos de experiência.

O reconhecimento está em segundo lugar na preferência dos trabalhadores quando o assunto é o fator motivador na carreira. É o que garante a Pesquisa dos Profissionais Brasileiros, realizada pela empresa de recrutamento Catho para traçar o panorama do comportamento, hábitos e rotinas de carreira da população nacional.

Luis Testa ressalta que o reconhecimento perde apenas para o bom relacionamento com os colegas de trabalho, item que liderou o ranking de fatores motivadores. O chefe que ignora os esforços dos profissionais ou deixa claro que o trabalhador não fez mais do que a obrigação acaba gerando um efeito contrário. “A falta de elogio pode gerar insatisfação. Pessoas desmotivadas não conseguem exercer suas atividades da melhor maneira possível”, garante Luis Testa.

O elogio feito a partir do reconhecimento é completamente diferente do elogio feito de forma interesseira ou com segundas intenções. Vamos explicar um pouco melhor. Você tem um chefe frio e distante. Para tentar se aproximar um pouco mais dele, você resolve elogiar o corte de cabelo. Em outro dia diz que a camisa que ele está usando é muito bonita. E não perde a chance de dizer que ele está sempre esbanjando simpatia.

O chefe pode até gostar das suas observações frequentes. Mas, se não existir qualquer tipo de abertura e proximidade entre vocês, o elogio pode parecer pouco verdadeiro. É o elogio interesseiro e gratuito. Elogiar a camisa do chefe é bem diferente de elogiá-lo pela boa gestão da equipe ou pela conduta profissional. Os elogios gratuitos e superficiais não ajudam. Você pode passar a imagem de uma pessoa pouco sincera, o típico “puxa-saco”. E ninguém quer ser visto assim no ambiente de trabalho.

Reforço positivo

A psicóloga Débora Cristina Jorge explica que todo mundo precisa de um reforço positivo e ele vem do elogio. Para ela, tanto a falta de elogio quanto a crítica em excesso são desmotivadores. E isso não vale apenas para as relações profissionais, mas para as relações de amizade, familiares e até mesmo no casamento. “O elogio é o reconhecimento dos valores que a pessoa tem”, completa.

Quer aprender a enfrentar as dificuldades do mercado de trabalho e se tornar uma pessoa vencedora? Então, não perca o Congresso Para o Sucesso, que acontece às segundas-feiras, no Templo de Salomão. Para encontrar uma Universal mais próxima de você, acesse www.universal.org/enderecos.

Caso queira adquirir o livro “50 Tons Para o Sucesso”, que contém dicas para a vida profissional e financeira, acesse o Arca Center, clicando aqui .

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente