Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de novembro de 2018 - 00:05


Voluntários resgatam vítimas da exploração sexual

EVG Night oferece apoio social e espiritual

O grupo EVG Night – programa social que oferece assistência a garotas de programa e travestis de todo o Brasil – já amparou, em seis meses, 8,5 mil vítimas de exploração sexual. Segundo dados da Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec), o Brasil possui aproximadamente 1,5 milhão de pessoas, entre homens e mulheres, na prostituição.
Adriana Paes, natural de Vitória da Conquista, na Bahia, veio para São Paulo quando tinha apenas 15 anos e aos 21 anos acabou entrando para o mundo da prostituição.“Em 1999 resolvi vir para São Paulo para morar com a minha irmã. Durante quatro anos trabalhei como autônoma, mas depois acabei entrando na prostituição a convite de uma pessoa que conheci na rua”, relembra.
Depois de 11 anos, Adriana conseguiu largar a prostituição e conta seu depoimento a outras pessoas que vivem na mesma situação que ela vivia. Atualmente, ela é voluntária do grupo na capital paulistana. “Eu vivia uma vida vazia e solitária, apesar de estar bem financeiramente e frequentar festas e barzinhos. Para quem estava de fora, parecia que eu era a pessoa mais feliz do mundo, mas, dentro de mim, existia muita angústia. Só depois que saí desta vida me senti verdadeiramente feliz e completa.”
Em todo o Brasil, Adriana e mais 2,5 mil voluntários saem toda sexta-feira à noite para visitar becos, vielas, avenidas e proximidades de boates e motéis. Quando há espaço para o diálogo, o grupo oferece apoio social com assistência de médicos, enfermeiros e psicólogos. São entregues também livros como O Resgate, do Bispo Sergio Corrêa, obra que ensina a reconstruir a vida; e Morri para Viver, de Andressa Urach, que traz o relato de quem passou pela prostituição.
Segundo o coordenador da EVG Night, Bispo Alessandro Paschoall, o grupo conta com a parceria do Raabe, outro programa social da Universal. O auxílio é prestado por meio de conselheiros, advogados e assistentes sociais que amparam mulheres que sofrem com traumas provocados por violência ou abusos físicos e psicológicos. “Também fazemos o acompanhamento das garotas de programa e travestis pelo celular, por meio do envio mensagens de apoio”, declarou o Bispo.
No Amazonas
Todas as sextas-feiras à noite, os voluntários do grupo EVG Night de Manaus, capital do Amazonas, se reúnem para levar apoio social e espiritual às garotas e aos garotos de programa da região. Em cada encontro, os evangelistas transmitem mensagens de fé e esperança, mostram a eles que há uma saída para essa condição e que suas vidas podem ser totalmente transformadas.
Uma ação realizada recentemente no centro da cidade reuniu 10 voluntários e impactou mais de 40 pessoas que estavam na região.
Segundo o Pastor Glauber Moré, responsável pelo grupo no Estado, a maioria está nas ruas por problemas sociais. “Muitos não têm um emprego e há mulheres que se tornaram mães muito jovens e não conseguem dar o sustento aos filhos.”
No entanto, por meio da ajuda constante da Universal, essas pessoas estão encontrando uma saída para seus problemas. A voluntária Amanda Lima, de 25 anos, conta sua experiência de poder ajudar e levar amor ao próximo: “esse trabalho é maravilhoso, pois podemos conhecer a história de vida delas. Na maioria das vezes, quando nos aproximamos para falar de Jesus, percebemos que elas têm sede de apenas uma palavra. O que me deixa muito feliz é quando aceitam o convite para estar conosco. Nada é mais gratificante do que poder ver o sorriso no rosto dessas pessoas e a alegria que sentem com a nossa presença”.
* Com informações da UNICom


  • Redação* / Fotos: Cedidas 


reportar erro