Rede aleluia
Você sabe qual é o último sentido perdido, após o falecimento?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de Fevereiro de 2021 - 15:08


Você sabe qual é o último sentido perdido, após o falecimento?

Confira a resposta e saiba o que ela tem a ver com a salvação de um ente querido

Você sabe qual é o último sentido perdido, após o falecimento?

Qual é o último sentido a se desligar quando uma pessoa falece? Você já pensou sobre isso?

É interessante a resposta para esta pergunta, porque ela está relacionada com o fato de pessoas se entregarem para o Senhor Jesus nos últimos momentos de vida, depois de ouvirem a mensagem do evangelho no leito.

Um estudo da University of British Columbia, publicado no ano passado em um periódico científico, analisou a atividade cerebral de pacientes e descobriu que, provavelmente, a audição é o último sentido a ser perdido no fim da vida. Ao longo da pesquisa, os pacientes eram expostos aos vários testes de padrões de som comuns e raros de diferentes frequências. E a resposta entre pessoas saudáveis e pessoas que tinham acabado de falecer eram similares. Ou seja, mesmo sem poder se expressar, a pessoa ainda estava ouvindo.

O estudo ainda acrescenta que essa notícia pode incentivar familiares e amigos a trazerem conforto para uma pessoa que vive os seus momentos finais.

Igualmente, o resultado corresponde à uma observação de outro artigo científico, intitulado “A percepção auditiva nos pacientes em estado de coma: uma revisão bibliográfica“, publicado em 2005. No texto, o grupo de pesquisadores explica que: “Nos estados de coma a audição parece ser o último sentido que é perdido e tal afirmação pode ser sustentada através dos relatos de pessoas que retornaram desse estado. A maioria relata dados sensoriais auditivos como sons, palavras, frases, vozes familiares, etc.”

A Semana da Salvação da Família

Por isso, se você tem buscado pela salvação de um familiar, não desista dele. Veja o exemplo do metalúrgico Éder Martins Fontoura, hoje com 35 anos, que contou recentemente sua história ao Jornal Folha Universal. 

“Uma noite, em casa, levantei para ir ao banheiro e cai. Bati a cabeça no vaso sanitário, formou um ‘galo’ enorme e eu pensei: ‘amanhã eu vejo isso’ e fui dormir”, diz.

Contudo Éder não acordou no dia seguinte. Desesperada, a família dele chamou o serviço de emergência. “Fui levado para o hospital e já me colocaram na UTI em coma. Eu tinha sintomas de febre e toda noite minha camiseta ficava encharcada de suor, mas não conseguiam descobrir o que eu tinha. Alguns médicos diziam que era psicológico, pois meus exames não apresentavam alterações, mas meu organismo não reagia. Comecei a perder peso exageradamente.”

A mãe dele, a diarista Rosane Lopes Martins, de 53 anos, e sua irmã, a atendente de supermercado Deise Martins, de 33 anos, passaram a acompanhá-lo. “Elas largaram tudo para cuidar de mim. Minha mãe já era da Igreja havia 20 anos e passou a buscar pela minha saúde na Universal”, conta.

“Minha irmã me contou que o médico queria desligar os aparelhos que me mantinham vivo e suspender a alimentação que era feita via sonda, mas ela foi firme, pois acreditava que Deus faria o milagre na minha vida. Ela disse a ele que se eu ainda tinha chance de sobreviver que nada fosse desligado e ele recuou.”

O médico, porém, não deu esperanças sobre a melhora de saúde dele. “Ele falou que eu tinha 1% de chance de sobreviver e que já tinha feito tudo o que podia por mim. Se os meus rins não voltassem a funcionar em três dias, eu morreria. Minha mãe falou que tinha fé de que eu me salvaria e o médico recomendou que ela orasse.”

Depois de três dias, Éder despertou. “Eu penso que, apesar de não estar consciente, a recomendação do médico para que minha mãe orasse me ajudou a acordar. Nem os médicos acreditaram quando eu abri os olhos.”

Atualmente, a saúde de Éder está totalmente restabelecida e ele voltou a trabalhar. “Eu não valorizava as coisas que eram de Deus e tive muitos problemas por isso. Aprendi a usar a mesma fé que a minha mãe usa em todas as dificuldades. Vou às reuniões na Universal e estou buscando a minha libertação total”, completa.

Busque você também ajuda em Deus. No Templo de Salomão e em toda a Universal estamos vivendo “A Semana da Salvação da Família“. Desse modo, Bispos e Pastores estão orando em favor dos participantes e dos familiares. Não perca esta oportunidade.


Você sabe qual é o último sentido perdido, após o falecimento?
  • Da Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro