Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de junho de 2018 - 03:05


Você está em um “relacionamento morfina”?

Entenda o que é, avalie se o seu está enquadrado nessa situação e saiba o que fazer

Para entender o que é um “relacionamento morfina” é preciso, antes de tudo, saber o que é essa substância e qual a sua finalidade.

A morfina é um poderoso analgésico usado em casos de dor crônica ou aguda muito intensa. O seu uso contínuo, além de provocar muitos efeitos colaterais, ainda pode causar dependência.

De acordo com a neurocientista Silvana Chiavegatto, doutora em Farmacologia, quando a morfina é administrada não só promove o alívio da dor, como também apresenta uma leve sedação, além de outros efeitos no organismo.

No entanto, quando seu uso se torna crônico, a mesma dose não surte mais o mesmo efeito sendo necessário aumentá-la para produzir a mesma analgesia, antes obtida com uma dose menor. Mas, não é só isso: com o aumento da dose, aumenta também os efeitos maléficos no organismo.

Desta forma, fica fácil entender o porquê da comparação entre alguns relacionamentos com essa substância analgésica.

O assunto foi discutido, recentemente, durante o programa “The Love School – A Escola do Amor”, transmitido aos sábados, meio-dia, pela Record TV.

Os apresentadores Renato e Cristiane Cardoso explicaram que esse termo é usado para explicar quando a pessoa recém-saída de uma relação, se envolve em outra como forma de esquecer a dor causada pelo término do relacionamento anterior.

“De um lado, ela acaba tendo um alívio de saber que, embora a outra pessoa tenha a rejeitado, encontrou outra que a quer. Mas, por outro, ela vai ter vários problemas, pois a razão da dor ainda está ali. Ela não foi curada”, observa Renato Cardoso.

O apresentador orienta que não se deve entrar num relacionamento se você, ou a outra pessoa, ainda não está curada do anterior. Do contrário, você acabará se tornando um escape, uma morfina para a outra pessoa ou vice-versa.

Não aceite ser usada ou usado como morfina na vida de ninguém. Se você percebe que está em um relacionamento assim, não há outra alternativa a não ser sair dele. Trata-se de um problema interior que a pessoa precisa resolver. “Não pense que você pode ajudá-la a vencer isso. Você não é o remédio que vai curar o trauma da outra pessoa. Ela precisa se curar e, para isso, não pode estar num relacionamento”, aconselha Renato.

Mas como alcançar essa cura interior e estar pronto para um novo relacionamento?

No livro bíblico Cantares de Salomão, que só fala de amor, está escrito assim:

Se achares o meu amado, lhes digais que estou enferma de amor. Cantares 5.16

Ou seja, a dor do amor causa a enfermidade do coração e essa dor só Deus, que é o Autor do amor, pode curar. “Enquanto você ficar tentando aplicar morfinas, ter relacionamentos paliativos, não conseguirá resolver isso, pelo contrário, essa dor vai crescer e você vai precisar cada vez mais de coisas diferentes para tentar lidar com isso”, alerta o apresentador.

Venha tratar o seu coração na Terapia do Amor. Nessa reunião, você aprenderá não só a superar essa dor como também a se preparar para entrar em um novo relacionamento. A Terapia do Amor acontece todas as quintas-feiras, no Templo de Salomão e em outras localidades. Consulte aqui o endereço mais próximo de sua casa.


  • Por Jeane Vidal / Fotos: istock 


reportar erro