Rede aleluia
Um pastor. Qual é o problema?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de julho de 2020 - 00:05


Um pastor. Qual é o problema?

Um pastor. Qual é o problema?

A atual oposição ao governo brasileiro é no mínimo estranha. Na teoria, a oposição serve para balancear as decisões e atos dos governantes em prol do povo. Deve ser o contraponto crítico para mostrar que o governo não é intocável e oferecer opções ao eleitorado para futuras eleições, em caso de descontentamento com os dirigentes atuais. Porém a atual oposição não faz nem uma coisa nem outra.

Opõe-se só por se opor, como se fosse sua obrigação discordar de tudo que o governo promove, decide e realiza. É a arte de ser “do contra”. Seria porque no fundo ela tem medo das escolhas atingirem o objetivo e agradar às pessoas?

Além disso, o principal objetivo é confundir a população em uma eterna tentativa de lavagem cerebral, já que os governos anteriores do PT, os mais corruptos da história do Brasil, perderam o “osso” que tinham na boca por mais de uma década, pilhando os recursos do País descaradamente, construindo dia a dia o atual caos econômico – agora agravado com a pandemia do novo coronavírus – e comprando votos de pessoas. Afundaram o País para benefício somente deles.

E muita gente que os apoia não se importa nem um pouco com o Brasil, mas o faz apenas para parecer “antenado” e “descolado”.

Atualmente, quem defende esse posicionamento se vê esvaziado a cada dia.

E a mais nova polêmica levantada por essa oposição vazia e “rebelde sem causa” é a indicação e nomeação do advogado, mestre em Direito, doutor em Educação e teólogo Milton Ribeiro para ministro da Educação, no lugar de Abraham Weintraub, professor da Universidade de São Paulo (USP), que deixou o cargo em maio.

A oposição vazia, especialista em procurar pelo em ovo, critica a escolha pelo fato de Ribeiro ser também pastor evangélico. Qual é o problema? Na verdade, ela critica qualquer escolha do governo. Se ele escolhesse alguém do meio desses opositores, logo eles o acusariam de vira-casaca. É criticar por criticar para ganhar os holofotes. Será que tem ganhado?

Ribeiro é membro da Comissão de Ética Pública (CEP), ligada à Presidência da República, elaborada para investigar ministros e servidores do governo que cometam alguma irregularidade. Foi nomeado por Bolsonaro para a comissão em maio de 2019, com um mandato que iria até 2022, mas, tendo aceitado ser ministro, não ocupará mais este cargo para dedicar-se exclusivamente à nova Pasta.

Em sua posse, ocorrida no dia 16 de julho, ele citou sua formação religiosa, mas deixou claro: “o compromisso que assumo hoje ao tomar posse está bem firmado e bem localizado em valores constitucionais da laicidade do Estado e do ensino público”.

Ribeiro é graduado em Direito e Teologia, segundo seu currículo na plataforma Lattes, além de mestre em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.Doutor em Educação pela USP, também é membro do Conselho Deliberativo do Instituto Presbiteriano Mackenzie, mantenedor da universidade de mesmo nome, uma das mais antigas e respeitadas do País, da qual foi vice-reitor. São credenciais mais que válidas para a Pasta da Educação, mas a oposição o ataca por ser evangélico, como atacaria por qualquer outro motivo desaprovado pelas ideias deturpadas do mundo.

A oposição “para inglês ver” não gostou de um pastor ser indicado para ministro da Educação por, entre outros motivos, ter medo de que isso impeça crianças e jovens de serem influenciadas pelas cartilhas e programas que as levam para longe de Deus, aceitando como “normal” tudo aquilo que desestrutura a família e a sociedade. Veja o que a Bíblia diz: “E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.” (João 3.19-20).

Uma oposição séria que atua de forma imparcial e realmente em prol do que é melhor para cidadãos e cidadãs deve manter um papel crítico positivo que gere o equilíbrio e intimide qualquer governo a desmandos e abusos. Não é o caso da que age nos dias de hoje. Ribeiro, por ser educador e pastor, tem duplamente capacidade de assumir o cargo que tem em suas mãos e deve ser julgado por seu desempenho no trabalho e não por opiniões vazias de quem contraria só por contrariar.


Um pastor. Qual é o problema?
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro