Rede aleluia
“Tínhamos carros, casa de praia e perdemos tudo”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Agosto de 2022 - 00:05


“Tínhamos carros, casa de praia e perdemos tudo”

Maria do Perpétuo Socorro lutou no Altar pela transformação de sua família

“Tínhamos carros, casa de praia e perdemos tudo”

Maria do Perpétuo Socorro tem 53 anos, é bancária e mora em Belém (PA), na região Norte do Brasil. Ela é casada com Daniel Ribeiro do Nascimento, de 56 anos, e eles têm três filhos, uma vida financeira confortável e se consideram bem-sucedidos. Entretanto, se alguém perguntasse a ela, há duas décadas, se acreditava que a vida deles pudesse ser como é hoje, ela responderia que não. “Nessa época, eu já estava casada há dez anos e tinha parado de estudar. O meu marido, que é funcionário público estadual, bebia muito e tinha várias amantes”, diz.

Essa situação que já causava muitas discussões e agressões físicas entre eles ficou ainda pior: “descobri que meu marido tinha uma amante na frente da nossa casa. Cheguei ao meu limite e pedi que arrumasse as coisas dele e fosse embora, mas no dia em que ele iria embora, ele sofreu um enfarte e foi hospitalizado. Brinquei com ele e disse: ‘agora eu nem posso te deixar’”, detalha.

Daniel se curou, mas não mudou de comportamento e ela estava confusa: “decidi procurar a Universal, não para retomar o meu casamento, mas para me separar. Eu ouvia os programas da Igreja no rádio e já tinha tido uma experiência quando a minha filha recém-nascida foi parar na UTI. Minha mãe fez um propósito para que ela se curasse e deu certo”, conta.

Ela relata que, para piorar, Daniel se viciou em caça-níqueis. “Eu não trabalhava. Tínhamos carros, casa de praia e perdemos tudo. Aí eu comecei a participar da Nação dos 318, voltei a estudar e fui cursar administração. Passei em um concurso para o Banco da Amazônia e um ano depois me chamaram. Meu marido não tinha mudado nada, mas eu recebi o Espírito Santo e mudei o modo de tratá-lo. Passei a não olhar mais os defeitos dele e comecei a fazer campanha por ele e a participar das Fogueiras Santas.”

Contudo, quando ela foi chamada para ocupar a vaga, era em outra cidade, distante 1.100 quilômetros da capital paraense. “Meu marido pensou: ‘agora ela vai embora’, mas eu tinha certeza de que Deus não permitiria. Fui ao banco, expliquei que tinha filhos e que me deixassem para o final da fila. Quando o prazo para assumir o cargo estava terminando, retornei, assinei minha admissão e só aí perguntei para onde iria. Para minha surpresa, me chamaram para trabalhar na matriz, onde estou até hoje. Sou coordenadora e tenho uma carreira sólida”, comemora.

Ela continuou lutando pelo marido até que um dia ele a chamou e disse que não aguentava mais aquela vida. “Ele passou a ir à Universal e a transformação dele foi bem rápida: em dois meses se batizou nas águas e com seis meses recebeu o Espírito Santo. Hoje ele é muito ativo na Igreja, somos líderes de grupo e ele fala que não poderia ter acontecido nada melhor na vida dele. Creio que nossas vidas foram mudadas a partir do momento que recebemos o Espírito Santo e confiamos plenamente em Deus. Ele nos honrou e restituiu tudo o que tínhamos perdido”, conclui.


“Tínhamos carros, casa de praia e perdemos tudo”
  • Eduardo Prestes / Fotos: cedida 


reportar erro