Rede aleluia
Socialistas derrubam lei que proibiria propaganda com ideologia de gênero para crianças
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de Abril de 2021 - 20:40


Socialistas derrubam lei que proibiria propaganda com ideologia de gênero para crianças

Emenda do PSOL muda projeto original e deputados aceitam

Socialistas derrubam lei que proibiria propaganda com ideologia de gênero para crianças

Tramita na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) o Projeto de Lei 504/2020. O PL, originalmente, proibiria que qualquer veículo de comunicação transmitisse publicidade que contivesse “alusão a preferências sexuais e movimentos sobre diversidade sexual relacionado a crianças”.

O PL nasceu em agosto de 2020 e é de autoria da deputada estadual Marta da Costa (PSD). De acordo com ele, “o uso indiscriminado deste tipo de divulgação traria real desconforto emocional a inúmeras famílias, além de estabelecer prática não adequada a crianças que ainda, nem sequer, possuem – em razão da questão de aprimoramento da leitura (5 a 10 anos) – capacidade de discernimento…”

Ao contrário do que grande parte da imprensa tem noticiado, o PL não proibia que pessoas do grupo LGBTQIA+ fizessem publicidade. Conforme o cidadão paulista pode constatar clicando aqui e acessando o texto original do PL, apenas publicidade relacionada a crianças seriam proibidas, em movimento que visa o bem delas.

A votação do PL foi adiada duas vezes por falta de quórum. Quando finalmente houve a votação, os deputados optaram por substituir a proibição de assuntos relacionados à ideologia de gênero por conteúdos relacionados a drogas, sexo ou violência explícita. Agora a PL será novamente discutida e nova votação será marcada.

Embora esses também sejam temas importantes, o projeto original foi modificado em sua essência. Não voltará à votação, pela PL 504, a questão de conteúdos que tratem de identidade de gênero para crianças.

Como explicou o Bispo Renato Cardoso, durante o programa Entrelinhas do último domingo (02), “ninguém aqui está promovendo homofobia, promovendo discriminação, desrespeito. Pelo contrário: nós estamos aqui tentando garantir o respeito. O respeito para com o seu filho”.

O Bispo explica que “normalmente, os políticos que promovem essa agenda são os partidos de esquerda, como o PSOL, PCdoB, PT”. Nesse caso, foi justamente uma deputada do Partido Socialismo e Liberdade, o PSOL, que propôs a exclusão do projeto original.

Por isso, é importante que as pessoas aprendam sobre política, por mais aversão que tenham ao tema. Afinal, são os políticos que decidem pautas tão importantes quanto essa para nossa sociedade. Votar em quem representa os seus valores é fundamental para construir a sociedade que se deseja.

Para entender mais sobre a maneira que a ideologia de gênero afeta as crianças, quando tratada superficialmente – como é feito em publicidades que, em geral, têm 30 segundos de duração –, clique aqui.


Socialistas derrubam lei que proibiria propaganda com ideologia de gênero para crianças
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro