Rede aleluia
Smartphone: use com moderação
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de maio de 2020 - 00:05


Smartphone: use com moderação

O uso do aparelho cresceu durante a pandemia, o que acende um alerta pelos danos que ele causa quando utilizado em excesso

Smartphone: use com moderação

Em tempos do novo coronavírus, o smartphone passou a ser a principal companhia de muita gente isolada em casa. Há um lado positivo: com ele e o acesso à internet, é possível contatar parentes e amigos distantes, trabalhar e produzir mesmo longe do escritório, manter a rotina de exercícios físicos ou assistir às reuniões da Universal.

Mas é preciso tomar cuidado e usá-lo moderadamente. Uma pesquisa conjunta entre as universidades de Cambridge, no Reino Unido, e de Chicago e Minnesota, nos Estados Unidos, revela que o uso excessivo de celulares se torna um vício com danos físicos e psicológicos iguais aos causados pela dependência em drogas, álcool e cigarros.

Segundo os estudiosos, o uso abusivo do celular altera o cérebro e aumenta muito a incidência de transtorno de estresse pós-traumático, déficit de atenção e hiperatividade e dificuldades com a autoestima, além de depressão e ansiedade – provando que a relação entre o incrível aumento dessas duas últimas e o uso crescente de smartphones não é mera coincidência.

A pesquisa também mostrou mudanças de comportamento nada positivas em jovens, como notas mais baixas nos estudos e aumento no número de parceiros para sexo casual. Muitos deixam de viver a realidade e se prendem ao mundo virtual e se tornam reféns do mundo digital. Os dados também mostram que as mulheres estão mais vulneráveis a esses danos psicológicos.

Novo vício
A consultoria inglesa Kantar revelou que só o uso do WhatsApp em todo o mundo aumentou mais de 40% e que mesmo quem não costumava usar muito o celular passou a usá-lo mais. A Netflix ganhou mais de 15 milhões de assinantes, sendo que a plataforma esperava metade disso.

O celular já é o dispositivo mais usado para acesso à internet e o vício no telefone portátil já tem até um nome: nomofobia. Nela, o aparelho passa a ser visto como uma extensão do corpo e da mente e o viciado não nota o quanto utiliza o aparelho e deixa de fazer outras atividades do cotidiano, o que atrapalha o trabalho, o descanso e as relações presenciais.

Danos físicos
Além do risco psicológico, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apontou alguns dos grandes problemas físicos causados pela dependência em celulares, a curto, médio e longo prazos:

A luz emitida pela tela do celular estimula o usuário ao estado de vigília, impedindo uma boa noite de sono e comprometendo o dia seguinte.

O pescoço sempre inclinado para baixo para o uso do celular altera aos poucos a coluna, causando a “corcunda” e danos nos nervos. Essa postura também faz com que o rosto perca elasticidade e aumenta a probabilidade de rugas e “papadas” (aumento de gordura e pele solta sob o queixo).

O uso excessivo causa ou piora problemas de visão, como a miopia, além de causar secura e inflamações nos olhos.

O aparelho acumula muitos micróbios e pode ser mais sujo do que um assento sanitário, por exemplo, sendo um grande disseminador de doenças e infecções.

De posse dessas informações, vale a pena usar mais racionalmente o smartphone e privilegiar a vida de verdade, em vez de ser cada vez mais escravo de uma telinha, com mente e corpo deformados por um vício patético e desnecessário.


Smartphone: use com moderação
  • Marcelo Rangel / Foto: Getty Images 


reportar erro