Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de março de 2020 - 00:05


Responsabilidade sim, pânico não

Com o avanço do coronavírus no Brasil, crescem também sentimentos como medo e incerteza. Até que ponto nós devemos realmente nos preocupar? Em meio à avalanche de informações, a primeira recomendação é evitar o pânico. Ninguém pensa direito quando está desesperado. Por isso, a razão e a fé inteligente precisam ser acionadas na atual situação. Respire fundo. Dito isto, vamos aos fatos.

A rápida expansão do novo coronavírus pelo mundo levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar pandemia global no dia 11 de março. De lá para cá, o número de infectados se multiplicou. Até o fechamento desta edição, mais de 150 mil pessoas haviam sido infectadas, com mais de 5,5 mil mortes. O vírus já chegou a pelo menos 144 países em todos os continentes, exceto a Antártida.

A doença apresenta mais risco de morte entre pessoas acima de 60 anos, imunodeprimidas, em tratamentos oncológicos e com doenças crônicas, como diabetes. A taxa média de mortalidade é de 3,6%. A letalidade pode passar de 15% para pessoas acima de 80 anos. Pessoas com doenças cardiovasculares têm 10,5% de risco de morte e diabéticos, 7,3%. Em 80% dos casos os sintomas da doença são leves e semelhantes aos de uma gripe, com tosse seca, febre, dor no corpo e dor de garganta, enquanto 15% dos casos podem precisar de internação e 5%, de UTI.

E no Brasil?
Até o dia 16 de março, o Brasil já contabilizava pelo menos 200 casos, segundo dados do Ministério da Saúde.

A maioria dos casos brasileiros está na cidade de São Paulo. Além disso, os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro já têm transmissão comunitária da doença, quando não é mais possível saber quem passou a doença para quem. Os números de casos devem continuar crescendo no Brasil.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, informou, no dia 11 de março, sobre a negociação com o Legislativo para a liberação de até R$ 5 bilhões para ações de enfrentamento ao coronavírus. Além disso, o governo reabriu 5.811 vagas do Mais Médicos. Outra medida foi a antecipação da primeira parcela do 13º salário aos aposentados e pensionistas do INSS para abril, em uma tentativa de conter os possíveis danos econômicos. O início da campanha de vacinação contra a gripe foi antecipado para o dia 23 de março (confira reportagem na página 10 desta edição).

É muito grave?
Por ser uma doença nova, o Covid-19 ainda não tem tratamento específico nem vacina. Isso significa que tem o potencial de infectar muitas pessoas simultaneamente. Apesar disso, não devemos esquecer que o Brasil também enfrenta outras doenças perigosas. Os casos de dengue, por exemplo, aumentaram 20% em 2020, em relação ao mesmo período do ano anterior. Até 1º de fevereiro, foram registrados mais de 94 mil casos de dengue no País e 14 mortes, segundo o Ministério da Saúde. Além disso, foram registrados 18,2 mil casos de sarampo em 2019, com 14 mortes.

O que fazer?
Seguir as recomendações das autoridades sanitárias é fundamental. Neste momento, os esforços se concentram em reduzir a circulação de pessoas nas ruas das cidades mais afetadas. O objetivo é diminuir a velocidade de transmissão da doença. Pessoas idosas, com doenças crônicas e aquelas que puderem ficar em casa devem fazer isso. A recomendação é lavar as mãos constantemente com água e sabão por pelo menos 40 segundos e evitar tocar o rosto, principalmente olhos, boca e nariz. A OMS também sugere evitar contato físico com todas as pessoas, como aperto de mãos, abraços e beijos.

Juntas, essas medidas podem contribuir para uma propagação mais lenta da doença e ajudar na contenção do problema. Você está preparado para fazer a sua parte?


  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro