Rede aleluia
Quarentena: todos os dias, 100 vítimas de violência doméstica pedem ajuda à rede de voluntárias
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de maio de 2020 - 10:32


Quarentena: todos os dias, 100 vítimas de violência doméstica pedem ajuda à rede de voluntárias

Casos de feminicídio cresceram 4,9% em São Paulo depois do isolamento social

Quarentena: todos os dias, 100 vítimas de violência doméstica pedem ajuda à rede de voluntárias

O isolamento social teve como uma das consequências o crescimento da violência doméstica contra a mulher. Apenas no Estado de São Paulo, a Polícia Militar (PM) registrou um aumento de 4,9% de casos de feminicídio em março. Para ajudar as mulheres que enfrentam essa situação, o Raabe – programa social da Igreja Universal do Reino de Deus – tem intensificado, em todo o Brasil, os atendimentos para oferecer apoio psicológico e judicial àquelas que sofrem com traumas, abusos e violência doméstica.

A responsável pelo Raabe, Fernanda Lellis, afirma que neste período de pandemia da Covid-19 são atendidas, diariamente, cerca de 100 mulheres brasileiras que sofrem com esse tipo de violência. Além disso, segundo ela, é possível observar que muitas vítimas estão entrando em depressão por não saber lidar com o confinamento.

As voluntárias realizam o atendimento pelo WhatsApp nacional (11) 95349-0505, pelo e-mail projetoraabe@gmail.com e por meio das redes sociais Facebook e Instagram.

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta, ainda, a diminuição das denúncias, que é uma das consequências causadas pelo isolamento, já que as mulheres ficam impedidas de sair de casa para prestar queixa ou têm medo de fazê-lo pela proximidade do parceiro.

Para Fernanda, “é importante que a mulher acredite que há como sair deste cenário de violência. Ela precisa buscar ajuda e apoio na família e também nos órgãos competentes”.

Doações a quem precisa

Além do amparo psicológico e judicial, o programa social também tem realizado outras ações para ajudar famílias que foram afetadas pela quarentena.

Só em abril, mais de seis toneladas de alimentos foram doadas. Além disso, foram distribuídos cerca de 800 kits de higiene e mil máscaras para proteção contra a Covid-19.

Já na próxima terça-feira (19), às 15h, as integrantes do grupo realizarão uma doação de máscaras, kits de higiene pessoal, shampoo e condicionador para o Centro de Acolhida Morada do Sol, localizado no Brás, zona leste de São Paulo.

Assistência às casas de apoio

Antes da pandemia, o Raabe realizava ações em casas de apoio a mulheres vítimas de violência doméstica, de abusos e em situação de rua, oferecendo palestras, cursos de artesanato, atendimento emocional com as conselheiras e atividades com os filhos das mulheres acolhidas. Neste momento, em razão da quarentena, essas iniciativas estão suspensas. Contudo o programa social continua ajudando com a doação de mantimentos, materiais de higiene e máscaras confeccionadas pelas próprias voluntárias.

Cristina (nome fictício) vivia em outra cidade, onde chegou a morar na rua e a sofrer violência doméstica  e foi nessa situação que ela chegou a São Paulo. Na cidade, foi direcionada ao Projeto Raabe, que a encaminhou à Casa de Apoio Maria Maria (CAE), onde permaneceu por quatro meses.

Nesse período, ela também participou do Curso Autoconhecimento, que as voluntárias do Raabe ministravam na casa de apoio.

“Eu pude me conhecer por dentro, o que preciso mudar no meu comportamento, na minha vida. O programa social me ajudou a ter uma direção de como agir diante das circunstâncias. Quero poder ajudar outras mulheres que passam pelo que passei para que obtenham a ajuda que encontrei no Raabe”, concluiu Cristina.

Serviço:

Ação social no Centro de Acolhida Morada do Sol

Data: 20/5

Horário: 15h

Local: Rua Joaquim Carlos, 135 – Brás – São Paulo (SP)


Quarentena: todos os dias, 100 vítimas de violência doméstica pedem ajuda à rede de voluntárias
  • Unicom / Fotos: Cedidas 


reportar erro