Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de maio de 2020 - 14:14


Pesquisadores chineses desenvolvem remédio que imuniza a curto prazo contra a COVID-19

Anticorpos apresentaram potencial para prevenir o contágio e reduzir o tempo de recuperação

Pesquisadores chineses desenvolveram um medicamento capaz de imunizar uma pessoa infectada com o novo coronavírus, temporariamente, até que uma vacina definitiva seja aprovada. A equipe de cientistas do Centro de Inovação Avançada em Genômica, da Universidade de Pequim, identificou vários anticorpos neutralizantes no plasma de pacientes convalescentes – pessoas que já se recuperaram da COVID-19.

O estudo publicado em 17 de maio último, na revista científica Cell, afirma que os anticorpos apresentaram potencial para prevenir o contágio a curto prazo e reduzir o tempo de recuperação. Os anticorpos neutralizantes, produzidos pelo sistema imunológico de 60 pessoas quem se recuperaram da doença, se mostraram altamente potentes contra o novo coronavírus. A notícia foi divulgada a um veículo de comunicação francês, pelo diretor do instituto, Sunney Xie.

Os primeiros testes foram feitos em animais e a preparação dos ensaios clínicos está em andamento. Eles devem acontecer, em breve, em outros países. Com o declínio da pandemia no país, a China não possui portadores suficientes do vírus para realizar testes em humanos. Esse mesmo sistema já foi utilizado em tratamentos para outros vírus como o ebola ou a MERS-Cov.

Pesquisas por uma vacina estão sendo realizadas por centenas de laboratórios, em diversas partes do mundo. Mas, ainda podem levar de 12 a 18 meses para uma conclusão, advertiu a Organização Mundial da Saúde (OMS). Já um tratamento à base de anticorpos poderia chegar mais rápido à população. Segundo os pesquisadores chineses, esse tratamento pode estar disponível antes do fim do ano, a tempo de responder a um possível novo surto da COVID-19.

Anticorpos em brasileiros

No Brasil, um estudo liderado por cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostrou que 5,19% dos moradores de seis distritos da cidade de São Paulo, com maior incidência de COVID-19, desenvolveram anticorpos ao vírus.

Clique aqui para saber mais sobre esse e outros assuntos relacionados ao novo coronavírus e aos avanços das pesquisas.


  • Redação / Foto: Getty Images 

  • Colaborador: 

  • Michele Roza


reportar erro