Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de junho de 2019 - 00:05


O turismo do suicídio

Caso de político inglês que tomou doses de uma substância letal chama a atenção para a depressão e para as pessoas que desistem de viver

O inglês Kalvin Paul Chapman se suicidou recorrendo a uma overdose em abril de 2018, mas o caso veio à tona na imprensa só recentemente e levantou a discussão sobre o chamado Turismo do Suicídio. Ele morava em Manchester e comprou as drogas no México, país onde a legislação é mais flexível e permite isso, ao contrário do Reino Unido.

Chapman comprou uma droga usada para a eutanásia de animais. No Reino Unido, a substância é proibida. Ela é usada em alguns países, inclusive, em injeções letais na execução de condenados à pena de morte. São comuns as notícias de idosos e doentes desenganados que viajam ao território mexicano com o pretexto de passear, mas vão para comprar a substância.

O caso ganhou evidência pelo modo como o britânico realizou o suicídio. Ele mandou um e-mail à polícia: “Provavelmente vou me matar em 20 minutos. Favor mandar alguém recolher meu corpo. A porta da frente estará destrancada.
Muito agradecido”.

Os policiais foram acionados tão logo o e-mail foi recebido. Chegaram a chamar uma ambulância, mas Chapman faleceu, apesar do socorro. Em seu computador foram encontrados arquivos com bilhetes suicidas para parentes e amigos, um PDF com o passo a passo para a eutanásia e poemas enaltecendo a morte, copiados
da internet.

O bizarro turismo da morte não é feito só no México. A Suíça, cujas leis permitem a eutanásia supervisionada por médicos em muitos casos, recebe cidadãos de vários países europeus para o suicídio assistido, embora a legislação limite o número desses “turistas”. doença
Chapman, que tinha 43 anos, descobriu pouco antes de sua morte um tumor atrás dos olhos. Ele também era cardíaco e sofria de dores na coluna há muitos anos, além de ter sido diagnosticado com depressão.

Além da carreira política, ele também tinha forte reputação como advogado da área comercial e era respeitado por seus pares na política e no Direito.

Busque ajuda
O suicídio não deve ser a saída para a cura das enfermidades. Todas as
sextas-feiras, na Universal, acontece a Sessão de Descarrego, uma reunião especial para aqueles que desejam ficar livres de todo o mal que aflige o corpo e a alma. As reuniões acontecem no Templo de Salomão, em São Paulo, às 10h, 12h,15h e 20h. O horário do meio-dia é dedicado ao tratamento para a cura da depressão. Procure uma Universal
perto de você.


  • Marcelo Rangel / Foto: Reprodução 


reportar erro