Rede aleluia
O que realmente tem feito falta durante a quarentena ?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de maio de 2020 - 00:05


O que realmente tem feito falta durante a quarentena ?

Pesquisa mostra que 32% dos brasileiros querem voltar a frequentar as igrejas quando cessar o período de isolamento social. Histórias reais revelam esse desejo

O que realmente tem feito falta durante a quarentena ?

Era um sábado, 28 de março de 2020, quando a estudante Anna Lynna Brito Nunes, (foto abaixo) de 29 anos, participou da Vigília do Resgate em sua Casa, conduzida pelo Bispo Sergio Corrêa, responsável pelos obreiros da Universal em todo o País. Ela acompanhou a reunião pelo Facebook, em sua cidade, Parnaíba, no Piauí. “Estava afastada da Universal havia nove anos. Nesse período, passei por problemas na mente e por confusões”, relata.

Anna tinha tentado se suicidar quatro vezes e descreve uma das ocasiões: “estava me sentindo triste, um ‘nada’, chamei um mototáxi e fui à avenida. Planejava pular de um lugar alto porque estava pensando em me matar, mas falei para ele que iria nadar em um rio. Assim que notei que a água estava no meu ombro, avistei uma ponte e disse a ele que iria subir nela para pular de lá.”

Ela foi impedida de fazer o pior pelo motoboy, mas o vazio interior continuou. Foi quando uma obreira a convidou para assistir a uma reunião que mudaria sua vida. “O Bispo (Sergio) falou tudo que eu estava pensando. Foi o Espírito Santo me alertando.” Então, no domingo seguinte, ela decidiu ir à Igreja, pois sabia o quanto ir à Casa de Deus lhe traria forças.

Apesar de as reuniões estarem suspensas para contenção do novo coronavírus, Anna foi decidida a pedir ao Pastor que a batizasse. O batismo aconteceu na porta da Igreja: o descer às águas foi representado pelo derramamento de um copo de água na sua cabeça. “Decidi viver para Deus”, conta.

Foi a partir daí que Anna percebeu a necessidade de a Igreja manter as portas abertas. “Ao aparecer pessoas como eu, outras, usadas como instrumentos de Deus, estarão prontas a ajudar em momentos difíceis e lhes transmitir uma palavra de Fé.”

DEPOIS, O SALÃO DE BELEZA
Essa e outras formas de ajuda têm alcançado os que se encontram espiritualmente desesperados em todo o Brasil. A abertura da Casa de Deus é requerida por muitos brasileiros, revelou uma pesquisa conduzida pelo instituto Ideia Big Data.

Foram entrevistadas 1.667 pessoas de Norte a Sul do País, entre os dias 21 e 22 de abril, sendo que 32% delas afirmaram que pensam em voltar a frequentar a Igreja logo que a quarentena for suspensa, enquanto apenas 14% declararam que voltariam em até 15 dias e 22% em no máximo um mês. No ranking, foram deixados para trás salões de beleza e barbearias (24%), lanchonetes (18%), restaurantes (15%) e shopping centers (14%).

“SÓ ME AUSENTEI AGORA”
Quem também não vê a hora de voltar à Igreja é a aposentada Eliana Conrado, (foto abaixo) membro da Universal há 20 anos. “Tenho 65 anos e pertenço ao grupo de risco. Então, não participo das reuniões desde 18 de março, quando estive na reunião das 7 horas da manhã.”

O QUE REALMENTE TEM FEITO FALTA DURANTE A QUARENTENA?

Eliana lembra que chegou à Universal depois de assistir a um programa de televisão. “Estava com depressão, uma dor intensa no peito e parecia que eu tinha uma bola na garganta. Dava vontade de pegar uma faca e furar o local para tentar fazer com que a dor fosse embora.

Em 11 anos, contatei quatro psicólogos, psiquiatra particular, tudo o que o dinheiro poderia comprar e nada resolvia”, diz.

Hoje, livre da dor, Eliana destaca que, ao longo desses 20 anos, não participou das reuniões apenas quando fraturou a coluna. “E só me ausentei agora por causa da pandemia”, observa.

Ela faz parte do grupo Calebe – que presta apoio espiritual e social à melhor idade. Atualmente, ela tem acompanhado as reuniões pelas transmissões nos canais da Universal. “As reuniões nos trazem o Espírito, mesmo que sejam assistidas pela tela”, esclarece.

LUGAR SANTO
Por tudo que viveu na caminhada da Fé, Eliana pode falar da importância das reuniões presenciais. “A Igreja nos leva a crer e a conhecer o poder da Fé. A cada reunião me renovo espiritualmente, me edifico não só pela Palavra que é passada, mas pelo Espírito dEla.”

Ela salienta que a Igreja faz falta: “a Obra de Deus continua e fico feliz em ver os jovens, os obreiros e os Pastores fazendo a minha parte na medida do possível, mas sinto falta de estar nesse lugar que é puro, consagrado. Quando acabar a quarentena, a primeira coisa que vou fazer é estar lá. A Igreja é um lugar santo, onde nos entregamos à Presença de Deus.”

De fato, a presença de Deus atrai e sempre vai atrair os que têm sede e necessidade dEla. Há os que voltarão às Igrejas apenas para fazer um passeio religioso. Estes correrão o risco de permanecer cristãos espiritualmente ocos e, talvez, sem nenhuma experiência espiritual para contar neste período de isolamento.

Mas há muitos que sentem o desejo de que o Pai veja o Filho retornar à sua Casa e esperam ardentemente que as portas se abram. Esses compartilham desse mesmo Espírito: “Ó Deus, tu és o meu Deus (…), a minha alma tem sede de ti; a minha carne te deseja muito em uma terra seca e cansada, onde não há água; Para ver a tua força e a tua glória, como te vi no santuário.” (Salmos 63.1-2).


O que realmente tem feito falta durante a quarentena ?
  • Flavia Francellino / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro