Rede aleluia
“O orgulho me dominava”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de agosto de 2020 - 00:05


“O orgulho me dominava”

Thayna de Andrade Martins entendeu que ter o Espírito Santo é mais valioso do que qualquer outra aprovação

“O orgulho me dominava”

A jovem Thayna de Andrade Martins, de 23 anos, desde pequena ouvia falar sobre as Escrituras Sagradas, pois já frequentava as reuniões da Universal com sua mãe. Contudo isso não foi suficiente para que seu interior fosse preenchido por Deus. “Eu era muito orgulhosa e buscava a aprovação das pessoas. Via minhas amigas na escola e queria ser como elas, ser popular, estar nas festas em que todos da minha idade estavam. Viver realmente usufruindo dos prazeres da carne. Eu queria ser notada onde chegava e queria que as pessoas gostassem de mim.”

Thayna continuava frequentando as reuniões, inclusive as de quartas-feira, mas não decidia tomar uma atitude de entrega total a Deus.

Entretanto, a cada reunião, ela entendia o quanto essa atitude era necessária. “Era um hábito ir à Igreja e eu não faltava às principais reuniões. Comecei a ter entendimento dos ensinamentos e percebi que tudo o que era dito me fazia bem e estava mudando o meu interior.”

A cada reunião da Escola da Fé, ela foi aprendendo mais sobre o Espírito Santo e a necessidade de tê-Lo. “Meu primeiro passo foi me batizar nas águas. Eu estava decidida a mudar meu comportamento e renunciar às minhas vontades para conhecer o Deus de que eu ouvia falar desde criança. Renunciei a tudo e até ao meu eu”, diz.

Dedicando-se diariamente a obter o Espírito de Deus e frequentando as reuniões de quarta-feira, Thayna finalmente recebeu o que tanto ansiava. “Eu O desejei mais do que tudo e em uma determinada quarta-feira eu recebi o Espírito Santo. Recordo que naquela noite eu me preparei e dei o meu melhor. Me entreguei totalmente a Ele e Ele a mim”, recorda.

Os ensinamentos sempre O acompanham e, por isso, ela continua participando das reuniões da Escola da Fé. “Eu aprendi que nenhuma conquista é mais valiosa do que o Espírito Santo. Eu sei o que Deus fez por mim e, por isso, continuo indo às quartas-feiras. É o alimento que fortalece o meu espírito e me dá forças para permanecer firme nos dias maus.”

Hoje, Thayna tem a felicidade verdadeira, paz e o bem mais precioso: o Espírito de Deus. “Nenhuma palavra que eu disser vai ser tão real. É preciso viver para entender. Agora eu não quero ser reconhecida por ninguém, a não ser pelo Pai que me concedeu a vida. É algo grandioso. A maior riqueza que existe vive em mim”, completa.


“O orgulho me dominava”
  • Camila Teodoro / Foto: Demetrio Koch 


reportar erro