Rede aleluia

Notícias | 17 de junho de 2018 - 03:05


Mulheres privadas de liberdade produzem bonecas na Paraíba

O grupo UNP doa, há quatro anos, toda a matéria-prima utilizada para a confecção dos brinquedos

O grupo Universal nos Presídios (UNP) tem realizado, em todo o País, ações sociais com apoio espiritual aos reclusos cujo objetivo é contribuir com a reintegração deles, que estão com a liberdade temporariamente interrompida.

Essas ações têm rendido bons frutos. Recentemente, o UNP da Paraíba realizou mais uma entrega de matéria-prima para a confecção de bonecas, chaveiros e retalhos e linhas no Centro de Reeducação Feminina Maria Julia Maranhão, em João Pessoa, na capital paraibana. A contribuição colabora com as aulas, que são coordenadas pela própria direção do presídio.

Importância do trabalho

Há quatro anos, todos os meses, os voluntários se reúnem para fornecer esse material que, muitas vezes, são doados em grande quantidade, sempre de acordo com a necessidade. A fábrica de bonecas funciona de segunda a sexta-feira e vale como remissão de pena para as presas que lá trabalham. Três dias trabalhados equivalem a um dia a menos no cumprimento da pena.

Segundo o Bispo Miguel Soares, responsável pelo UNP no Estado da Paraíba, ações como essa incentivam as que se sentem discriminadas e oferecem a elas uma proposta positiva de vida.

Todas as bonecas são vendidas em exposições, que acontecem geralmente no Tribunal da Justiça do Estado, no Tribunal de Contas, em espaços culturais e até fora da Paraíba. Parte da venda é revertida para as próprias produtoras e parte é investida no projeto, com compra de máquinas e para cobrir custos com deslocamento das mulheres para as exposições, que é assistido pela direção e por uma juíza.

Caso queira saber mais sobre o trabalho que o UNP realiza em todo o País, acesse e curta o perfil oficial do grupo no Facebook UNP Brasil. Para obter mais informações ou saber como se tornar voluntário, clique aqui, procure o endereço da Universal mais próxima de você e se informe com o pastor.


  • Por Débora Picelli / Foto: Cedida 


reportar erro