Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de junho de 2019 - 00:05


Mirela ficou cega e com parte do corpo paralisado

Um diagnóstico errado e um tumor no cérebro levaram a família da jovem a desenvolver a fé que aprenderam na sua jornada de vida

A jovem Mirela Gonçalves, de 13 anos, tinha sido sempre saudável até o dia em que estranhamente passou a sentir dores no peito e nas costas e seu rosto começou a inchar. Sua mãe a levou ao hospital e, depois de alguns exames, a médica a diagnosticou com dengue e chikungunya. Ela foi medicada e logo teve alta.

Após dois dias, a garota continuava inchada e suas queixas aumentaram. Sua mãe a levou novamente ao hospital, mas decidiu buscar uma segunda opinião médica. Ao checar os exames, a profissional percebeu que Mirela tinha outro problema de saúde e solicitou novos exames.

Aparentemente, ela estava bem, mas, enquanto a mãe fazia a ficha para os exames, a jovem começou a pedir socorro, pois estava com falta de ar e não se sentia bem. Em seguida, ela desmaiou.

Em meio ao desespero, sua mãe, Angelita Gonçalves, pediu ajuda para colocar a filha em uma maca para que fosse socorrida. Ela só recuperou a consciência cerca de 30 minutos depois, mas se queixou que não enxergava e estava com uma parte do corpo paralisada.

Os exames revelaram um edema pulmonar (acúmulo de líquido no interior dos pulmões). Quando saiu o resultado da tomografia, o especialista conversou reservadamente com o pai de Mirela, Luiz Claudio, e contou que a menina estava com um tumor e um sangramento no cérebro. “A Mirela estava piorando a cada instante. Ela voltou a ficar desacordada, sem falar nem se mexer”, conta Luiz.

O problema era grave e unidade de saúde a transferiu para o Centro de Tratamento Intensivo (CTI) de outro hospital.

Despertando a fé
“Na ambulância, eu estava em desespero sem saber o que fazer. Foi quando comecei a usar a minha fé”, lembra Angelita. Ao chegar ao hospital ela foi recepcionada por uma equipe de neurologistas.

A família de Mirela frequenta a Universal há 15 anos. Ao ver a saúde da filha debilitada, todos apelaram para a fé que conheceram por meio das reuniões. No dia seguinte à internação, o pai de Mirela e sua irmã foram à reunião na Universal e pegaram a água do milagre para que fosse usada na jovem.

Durante a visita, Luiz entrou no CTI e ungiu os olhos da menina com a água e fez uma oração determinando sua cura. Mais tarde ele ligou para Angelita e cobrou que ela desse a água para a jovem beber, mesmo sabendo que ela não podia ingerir nada. Ela usou a fé e colocou um pouco da água na boca da filha.

Manter a confiança
No dia seguinte, Mirela começou a despertar. Ela ainda não enxergava, mas já realizava alguns movimentos. “A todo instante eu usava a água do milagre: no banho, na comida, etc. Passei a usar a minha fé com mais intensidade e a confiar que minha filha sairia daquela situação”, diz Angelita.

A equipe médica realizou um cateterismo para cessar o sangramento e descobrir se o tumor era maligno ou não. Esse não era um procedimento simples e a família vivia momentos de angústia, mas confiava que Deus se manifestaria na vida dela. “O médico veio nos dizer que correu tudo bem e que minha filha estava me chamando”, conta Angelita.

O especialista relatou que estava confuso, pois não sabia o que tinha ocorrido: o que ele viu era diferente do que mostravam os exames.

Com isso, eles submeteram Mirela a outras avaliações para saber o que havia acontecido com o tumor, que tinha desaparecido. Sem explicação para o sumiço do tumor, tudo o que os médicos disseram aos pais foi que a jovem teve um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico, mas o próprio organismo estava absorvendo o sangramento.

Ela voltou a enxergar bem, a se movimentar e estava curada e sem sequelas. Diante de tudo não havia mais o que fazer. “Todos no hospital ficaram surpresos e queriam conhecer minha filha. Eles diziam que ela era o próprio milagre”, diz Angelita.

Depois de 15 dias de hospitalização, Mirela teve alta e voltou às suas atividades normais, com saúde e disposição.

Por que é importante buscar uma segunda opinião médica?

Segundo o pediatra e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Clóvis Constantino, a segunda opinião médica é um direito do paciente ou dos responsáveis legais, especialmente em situações mais delicadas. Para que exista um vínculo de confiança entre médico e paciente é necessário que haja franqueza das duas partes: o médico tem de mostrar seus limites e a pessoa revelar suas angústias. “Esse diálogo franco e aberto favorece um resultado melhor e ajuda na busca de soluções em situações mais críticas”, diz. O pediatra reitera que essa relação sempre pressupõe uma conduta compartilhada entre o médico e o paciente e não uma imposição.

Por outro lado, as pessoas devem ficar alertas quando a segunda opinião médica lhes é imposta. Constantino diz que essa atitude não é ética e que é importante ficar alerta quando essa situação ocorre, já que, quando os planos de saúde impõem essa busca, provavelmente é para não arcar com os custos de algum tipo de tratamento prescrito inicialmente. Além deixar o paciente inseguro, a prática induz a pessoa a desacreditar em seu médico.


  • Michele Francisco / Fotos: Cedidas 


reportar erro