Rede aleluia
Minhas escolhas,  meus fracassos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de agosto de 2020 - 00:05


Minhas escolhas, meus fracassos

Com a vida conturbada, Antônio Augusto Capp Rosa reconheceu que precisava se libertar

Minhas escolhas,  meus fracassos

O fisioterapeuta Antônio Augusto Capp Rosa, de 29 anos, conheceu o trabalho da Universal ainda na infância, quando acompanhava os pais que frequentavam a Igreja. Ao completar 15 anos, ele conheceu um mundo que, até então, era novo para ele, fez novos amigos e se afastou da fé. “Eu nunca tinha experimentado festas e amizades que não fossem da Igreja. Claro que existia esse desejo e ele ficou mais forte quando a minha família se afastou.”

A vida do jovem se transformou. “Passei a andar com más companhias e conheci as drogas. Cheguei a usar maconha e cocaína.”

Quando ingressou na universidade, foi morar em uma república estudantil e passou a usar mais drogas. Viciado, teve dificuldade com os estudos. “Aquela paz que eu sentia quando buscava a Deus já não existia mais. Eu fazia aquilo que desejava, mas sofria com as minhas escolhas”, recorda.

O convite
A irmã dele, Julia Capp, que tinha voltado para a Universal, o convidou para uma reunião. Antônio voltou a frequentar a Igreja em 2010, mas confessa que não pegou firme na fé. Ele apenas ia às reuniões. Depois de três anos “esquentando banco”, ele decidiu que queria mudar. “Eu acordei para a vida e vi que precisava ter um compromisso com Deus. Como já conhecia a Corrente de Libertação, passei a lutar pela minha libertação. Eu precisava reconhecer que tinha que me limpar de tudo que tinha feito no passado para que assim Deus pudesse habitar em mim.”

Antônio começou a frequentar as reuniões às sextas-feiras e logo viu a transformação na sua vida. Ele passou a fazer parte da Força Jovem Universal (FJU) e fez novos amigos.

Há cinco anos ele está firme na fé. Toda a família voltou para a Universal e ele teve, então, o seu encontro com Deus. “Hoje somos uma família abençoada, pois o segredo é conhecer a Deus”, finaliza.


Minhas escolhas,  meus fracassos
  • Maiara Máximo / Foto: Arquivo pessoal 


reportar erro