Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de junho de 2018 - 03:05


Mãos na cintura é para os conformados

Perceba se você não tem deixado de lutar por seus objetivos e se acomodado com sua situação

A história do povo judeu mostra que, certa vez, o reino de Judá foi devastado. Os invasores espalharam o terror pela cidade, atearam fogo em tudo e não pouparam crianças, mulheres nem idosos. Os jovens foram escravizados. O Templo, que havia sido edificado para Deus, foi destruído. No rosto dos homens havia pânico.

Há uma referência no capítulo 30, versículo 6, do livro do profeta Jeremias quanto a esse incidente: “Perguntai, pois, e vede, se um homem pode dar à luz. Por que, pois, vejo a cada homem com as mãos sobre os lombos como a que está dando à luz? E por que se tornaram pálidos todos os rostos?”

“Esse versículo mostra que os homens estavam com as mãos na cintura, como se estivessem tendo dores do parto. O temor era tanto que eles ficaram sem reação”, observou o Bispo Marcelo Moraes (foto abaixo), durante o encontro mensal exclusivo para homens, ocorrido no dia 10 de junho, no Templo de Salomão.

Atualmente, muitos homens estão na mesma condição que os habitantes de Judá no tempo da invasão. O palestrante acrescentou: “você deve reagir diante de tudo o que tem acontecido com você. Senão, parece que você está anestesiado, que aceita a imposição que o diabo vem fazendo. Ter as mãos na cintura significa se conformar, deixar de lutar, ser passivo diante dos problemas. Há muitos homens que se entregaram às suas fraquezas e desistiram de lutar por seus objetivos. Eles não têm mais metas, estão sem alvos. Querem até uma vida melhor, mas não tiram as mãos da cintura.”

Se você se identificou com a descrição acima, a opção é reagir. Você não pode deixar este ano passar em branco. Você tem que escrever a sua própria história com a direção de Deus.

O primeiro passo

Entenda que a sua mudança interior promoverá ainda uma transformação no exterior. Ao mudar os seus pensamentos, você também influencia o seu comportamento diante da vida. E, por isso, o seu primeiro passo é ingressar no Projeto IntelliMen. São 53 desafios que farão você refletir em relação a todas as áreas da sua vida e lhe conduzirão ao pleno desenvolvimento pessoal.

Os encontros mensais, ocorridos no Templo de Salomão, em São Paulo, tratam de temas ligados ao universo masculino. Por isso, também é importante que você participe das palestras. Fique atento às próximas datas. Para se manter atualizado, acesse a página oficial do projeto no Facebook.

Você precisa decidir que tipo de homem deseja ser: aquele que tem o rosto de um revoltado com os problemas ou aquele que está pálido de medo e com dúvidas. E aí, vai continuar com a mão na cintura, parceiro?

Intellimen

Hoje em dia o respeito é fundamental para que haja um bom relacionamento interpessoal. Se você é homem e deseja mudar suas atitudes, a hora é agora. Participe do projeto Intellimen e aprenda como ser um homem melhor. Para mais informações sobre o grupo, clique aqui.


  • Por Daniel Cruz / Fotos: Marcelo Alves 


reportar erro