Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 1 de julho de 2018 - 03:05


Jogador de futebol Rômulo Caldeira visita o Jardim Bíblico

O esportista e sua esposa, Pamela, vieram da Itália para conhecer o Templo de Salomão

Em frente ao altar de bronze, que ficava dentro do Tabernáculo, o povo hebreu fazia os sacrifícios para Deus. Um animal, escolhido com base em critérios estabelecidos pelo próprio Criador, representaria ali, diante do Sacerdote, a vida da própria pessoa. Quando aquele animal puro morria, gerava uma reflexão no ofertante, que era levado a pensar sobre o peso de seu comportamento. A explicação é do Sacerdote Alexandre, do Jardim Bíblico, localizado no Templo de Salomão, na capital paulista. Usando os trajes sagrados, ele conduz, com o Bispo Eduardo Bravo, o jogador de futebol Rômulo Caldeira e sua esposa, Pamela (foto abaixo) – que vieram da Itália ao Brasil e visitaram o Santuário.

Com olhar atento, o casal observa os detalhes dos símbolos sagrados que estão na réplica fiel do Tabernáculo dos tempos bíblicos. Cada objeto tinha um significado e era usado por Deus para estabelecer um relacionamento com o Seu povo.

Sonhando alto

No futebol, Rômulo teve uma carreira meteórica. Aos 13 anos, em Caxias do Sul, no Estado do Rio Grande do Sul, ele participou de uma “peneira” – um teste ao qual os jogadores são submetidos para ingressar no time – e foi aprovado. Aos 15 anos, ele já treinava com os profissionais. Depois, Rômulo vestiu a camisa do Juventude, outro time da cidade. Tanto para Rômulo quanto para Pamela esse começo não foi fácil. Era preciso driblar, fora dos gramados, as dificuldades financeiras e manter o sonho da vitória sempre vivo.

Entre os últimos times pelos quais o jogador passou estão os consagrados Juventus e Hellas Verona, ambos da Itália. O sucesso de Rômulo foi tão grande que gerou um convite do técnico Cesare Prandelli para que ele fizesse parte da seleção italiana de futebol.

Relacionamento com Deus

O casal afirma que a fé também teve um papel fundamental nessa história. “Deus na nossa vida é tudo. Quando eu falo ‘Deus’, eu não falo de uma ‘religião’, eu falo dessa fé que temos aprendido a colocar em prática. Eu falo desse relacionamento com Ele que não envolve ‘atos religiosos’, mas uma fé pura, que colocamos em prática por meio da leitura da Bíblia e de pequenas atitudes que fazem toda a diferença”, esclarece o craque.

Foi essa fé no Altíssimo que provocou uma mudança interior neles e os preparou para voos mais altos. “Nós viemos de uma família muito simples e passamos muitas dificuldades em nossas vidas. Éramos pessoas vazias, tristes, sem nenhuma perspectiva, mas, quando conhecemos esse Deus Vivo, Ele mudou completamente o nosso interior. Ele nos fez pessoas novas. Hoje, somos fortes, graças à presença dEle dentro de nós. Somos felizes e temos um casamento muito abençoado”, conta.

Ao longo da vida, o casal extraiu lições dos obstáculos que surgiram pelo caminho. E, com base na sua experiência, o jogador deixa uma mensagem: “Deus ama as pessoas rejeitadas, desanimadas, aquelas que pensam que não há mais solução. Se a pessoa está sofrendo, desanimada, foi rejeitada, passou por uma situação muito difícil ou uma decepção muito grande, Deus ama essa pessoa. Ele vai abraçá-la como tem nos abraçado e vai fazê-la feliz, cheia de forças e ela futuramente ajudará outras pessoas que se encontram na mesma situação em que ela está hoje”.

Ao final do Passeio, o Sacerdote Alexandre e o Bispo Eduardo Bravo apresentaram o Memorial ao casal, que viu artefatos temáticos e conheceu a história das tribos de Israel e do povo hebreu.


  • Por Daniel Cruz / Fotos: Marcelo Alves 


reportar erro