Rede aleluia
Já ouviu falar da dislexia?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de Novembro de 2022 - 00:05


Já ouviu falar da dislexia?

Saiba o que é e como identificar os sinais deste transtorno de aprendizagem

Já ouviu falar da dislexia?

Mais de 10 milhões de brasileiros sofrem com a dislexia, de acordo com o Instituto ABCD, organização social que se dedica a melhorar a vida de brasileiros que têm esse distúrbio. Por falta de informação, muitos deles acabam não procurando tratamento para esse transtorno que costuma ser confundido com “preguiça para aprender”. Não à toa, em todos os anos ocorre, sempre em 16 de novembro, o Dia Nacional de Atenção à Dislexia. A data tem o objetivo de difundir informações sobre o distúrbio e mostrar a importância do diagnóstico precoce.

De acordo com a doutora Gesika Amorim, especialista em neurodesenvolvimento e saúde mental, a dislexia não é uma doença: “é um transtorno de aprendizagem ou um transtorno de leitura que surge na infância. É como se você tivesse uma alteração na circuitaria cerebral, na percepção e compreensão da leitura e da escrita. É notório. A criança tem a chamada leitura silabada – conhece todas as letras, até alguns fonemas, mas é possível observar a dificuldade dela na evocação do que lê quando junta os fonemas e começa a formar palavras – e a chamada escrita em espelho, de frente para trás”, esclarece.

Gesika afirma que existem diferentes tipos e níveis de dislexia: “alguns são mais ou menos disléxicos, têm maior ou menor dificuldade. Basicamente, diferenciamos a dislexia em auditiva, quando a pessoa não percebe os sons e ela traz dificuldades para a fala; visual, quando há dificuldade em diferenciar esquerda e direita e há erros na leitura por causa da má visualização das palavras; e mista, quando junta os dois tipos.

Como não é uma doença, não existe cura. Existem técnicas de suporte. É como se você desenvolvesse novos caminhos para chegar ao mesmo final, ao mesmo denominador comum”.

A médica alerta para a importância de obter o diagnóstico precoce, pois o distúrbio pode se agravar ao se relacionar com diversas comorbidades. “Quando a criança começa, em algum momento, a se diferenciar da turma, isso pode ocasionar baixa autoestima, transtorno de ansiedade e depressão, com fobias escolares. Para que ela não desenvolva transtornos comportamentais, procure um profissional que seja experiente e que tenha realmente uma formação correta para detectar o problema que seu filho, por ventura, possa ter na idade escolar”, conclui.

Tratamento adequado e fé
Se você notou que alguém próximo ou até mesmo você pode ser disléxico, busque tratamento adequado e se lembre que a fé pode ser uma alternativa para aprender a lidar com as consequências e com os efeitos da dislexia.


Já ouviu falar da dislexia?
  • Eduardo Prestes / Arte: Edi Edson 


reportar erro