Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 6 de junho de 2019 - 15:07


Idosos do Amazonas recebem acompanhamento gratuito de nutricionista

Pesquisa aponta que 60,9% sofrem com hipertensão nessa faixa etária

No Amazonas, idosos estão sendo acompanhados por nutricionistas para aprender a cuidar da alimentação. A iniciativa é do programa social Calebe, que cede o espaço e oferece voluntariamente o serviço  para pessoas dessa faixa etária, na Central do grupo em Manaus, localizada no bairro de São Geraldo.

Os atendimentos acontecem quinzenalmente para os novos pacientes, e os retornos acontecem após três meses desde a primeira orientação.

Dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018) apontam que a terceira idade é a mais afetada pela hipertensão, 60,9% dessa população afirma ter o diagnóstico, doença que exige rigoroso controle alimentar em seu tratamento.

Há cerca de um ano e meio prestando o serviço voluntariamente, a nutricionista Emilly de Oliveira da Silva conta que a maioria dos casos atendidos apresentam doenças como pressão alta, diabetes, dislipidemia e obesidade.

Para a voluntária, a maioria dos idosos não têm condição financeira de pagar pelos serviços particulares de uma nutricionista. “Como a saúde pública está um caos, conseguir atendimento pelo SUS (Sistema Único de Saúde), demanda muito tempo de espera”.

As orientações têm como base os resultados da avaliação física e anamnese – conjunto das informações recolhidas pelo médico a respeito do paciente e de sua doença.Além disso, o trabalho também é realizado de forma preventiva com idosos que não possuem nenhuma patologia. “Eles são ensinados a como ter uma alimentação saudável e a cuidar do peso, para garantir o envelhecimento com qualidade de vida” explica a nutricionista.

Os interessados em receber atendimento podem se informar na central do Calebe, localizada na avenida Constantino Nery, 1515.

 


  • Unicom 


reportar erro