Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 26 de dezembro de 2016 - 00:01


Ganhar na loteria é a solução para todos os problemas?

Leia essas histórias e descubra a resposta

Com o fim do ano se aproximando, milhões de pessoas reservam dinheiro para apostar nas loterias especiais. O prêmio é maior e, mesmo as chances de ganhar sendo menores, muitos acreditam que, dessa vez, vão “tirar a sorte grande” e mudar de vida.

Entretanto, a história mostra que nem sempre essa mudança é para melhor. O norte-americano Billy Bob Harrell Jr, por exemplo, ganhou 31 milhões de dólares, em 1997. Casado, pai de três filhos e incapaz de se sustentar em um emprego, acreditou que dali para frente seria definitivamente feliz.

Não foi.

Billy passou a fazer grandes doações a amigos e instituições nas quais acreditava. As pessoas, aproveitando-se disso, pediam mais e mais dinheiro. O estresse causado pela nova rotina fez com que a sua esposa pedisse o divórcio, o que o afastou também dos filhos.

Menos de 2 anos após ser o “sortudo da vez”, sozinho, deprimido e se sentindo pressionado, ele atirou contra o próprio peito. Antes do suicídio, escreveu um bilhete afirmando: “Ganhar na loteria foi a pior coisa que poderia ter me acontecido.”

Ruim para o ganhador, ruim para todos

Tão trágica quanto a história de Billy é a de Andrew Jackson Whitakker, ganhador do sorteio especial de Natal nos Estados Unidos em 2002. O empresário já tinha uma fortuna de cerca de 17 milhões de dólares quando ganhou sozinho na loteria, levando para casa mais 113 milhões de dólares.

Jack, como era conhecido, passou a realizar grandes doações e empréstimos a amigos. Mesmo sendo roubado várias vezes, saía à rua com milhares de dólares em espécie e dava mesadas à família.

Menos de 2 anos após o sorteio, o namorado de sua neta morreu de overdose na casa dela. Um mês após o ocorrido, a neta também foi encontrada morta, com cocaína e metadona no organismo. A filha de Jack morreu pouco depois.

Em 2007, ele passou a ser processado por várias pessoas e empresas, que alegavam calotes, inclusive por um cassino, para o qual devia 1,5 milhão de dólares.

Hoje, o “sortudo” tem 68 anos de idade e trabalha em dois empregos para sustentar a família. Recentemente a casa dele pegou fogo, fazendo-o perder o pouco que lhe restava.

Sempre que pode, Jack aposta na loteria. Espera que agora tenha mais sorte e possa, enfim, se aposentar.

O erro dos “sortudos”

Billy e Jack participam de uma grande lista de vencedores de loteria que perderam tudo o que já tinham e o que ganharam. Curiosamente, os dois eram cristãos e doaram dinheiro às igrejas antes de falirem, mas isso não foi o bastante para livrá-los da ruína.

O bispo Jadson Santos, em vídeo publicado recentemente no Youtube, explica que não importa o tempo que uma pessoa passe orando, o que importa é cumprir o que a Bíblia ensina: “Você precisa ter coragem para obedecer a voz de Deus. Você pode orar 24 horas por dia. Se você não obedecer a Palavra de Deus, você não vence.”

Talvez esse seja o erro de muitas pessoas que ganham dinheiro. Jack, por exemplo, deixou de honrar as suas dívidas. Em contrapartida, gastava o dinheiro em novas apostas. Billy se esqueceu de cuidar primeiro da própria casa e acabou solitário.

O homem, muitas vezes, enxerga apenas o resultado imediato, se esquecendo do futuro. A Bíblia orienta: Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a Vida Eterna.” Gálatas 6.7,8

O ensinamento não distingue aqueles que já conquistaram fortuna dos que ainda não conquistaram. Simplesmente deixa claro que o homem é responsável pelo que lhe acontece. Se alguém despreza a Palavra de Deus, arcará com as consequências.

“Nunca, em tempo algum, cometa esse erro com Deus, porque o dia em que você desprezar a voz de Deus você não vai ter nada com Ele. Nada. Se você quer ter resultados na sua vida, aprenda a obedecer a Palavra de Deus”, afirma o bispo.

Ele explica ainda que Deus não é contra a prosperidade. Ao contrário, Ele quer que os Seus filhos vivam bem. Porém, é preciso honrá-Lo.

“Eis aí o segredo para você conquistar: permanecer na fé, venha o que vier, custe o que custar. Fiel no muito, fiel no pouco. Fiel no pouco, fiel no muito. Para você permanecer no muito, permaneça na fé”, conclui o bispo.

Quer aprender a ter sucesso financeiro permanecendo fiel a Deus? Participe do Congresso Para o Sucesso, que acontece todas as segundas-feiras, na Universal.


  • Por Andre Batista / Imagem: Thinkstock 


reportar erro