Rede aleluia
Família e sociedade: via de mão dupla
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Maio de 2022 - 00:05


Família e sociedade: via de mão dupla

Uma participa da formação da outra e ambas se influenciam, em um círculo que pode ser virtuoso ou vicioso, o que requer atenção em todas as esferas

Família e sociedade: via de mão dupla

A família é o começo da vida em sociedade para qualquer indivíduo. É nela que ele aprende a se relacionar com o próximo e a respeitar limites, onde aprende que seu direito termina onde começa o do semelhante.

Do outro lado, se a família é o embrião da vida social, a sociedade também a influencia. A mídia, por exemplo, pode educar com bons princípios ou manipular quem consome seu conteúdo com atitudes viciosas, individualistas ou puramente para gerar mais consumidores, independentemente se o que eles consomem lhes faz bem ou mal.

Atenta a esse fenômeno cíclico de causa e efeito, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu desde 1993 o Dia Internacional das Famílias, celebrado em 15 de maio, para debater as questões que envolvem a família na atualidade e propor medidas de suporte.

Desde a Antiguidade
Essa relação família e sociedade não é algo discutido só atualmente. Até o Próprio Deus, sabendo da importância do seio familiar na vida de Seus Filhos, atuou com atenção a isso. Ele escolheu justamente a ocasião de uma festa de casamento para que o Senhor Jesus realizasse o seu primeiro milagre de conhecimento público, transformando água em vinho (João 2.1-11). Um casamento significa o começo de uma família, de uma das muitas células que compõem a sociedade.

O Próprio Messias foi posto pelo Pai para nascer justamente em uma família, na qual Maria e José O alimentaram, aqueceram, cuidaram de Sua saúde e de sua educação. Ele sentiu na própria pele, em família, o que era ser filho, para daí ser cidadão.

Conceito e proteção na Lei
De tão importante, as próprias leis humanas, quando bem cumpridas, têm atenção especial para com o meio familiar, explica o advogado Carlos Ribeiro, de Santo André (SP): “a Constituição Federal do Brasil de 1988 entende, em seu artigo 226, que a família é a base da sociedade. Consequentemente, o Estado tem o dever de protegê-la, como também descrito no artigo”.

Carlos segue: “para efeito da proteção do Estado, é reconhecida em lei a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, assim como a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes. Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher”.

Segundo o advogado, “à luz da Constituição, tanto o homem quanto a mulher têm direitos dentro de uma relação matrimonial, mas a Constituição abrange o conceito de família quando entende que a união estável é reconhecida entre homem e a mulher como entidade familiar”.

Por isso, segundo Carlos, “todo ser humano tem o direito de constituir uma família harmoniosa a qual o Estado tem o dever de proteger, concedendo todos os princípios fundamentais, como o direito à saúde, segurança, educação e à própria vida”.

No entanto o especialista em leis questiona: “apesar de esses direitos serem teoricamente assegurados pela Constituição em seu texto, na prática não conseguimos ver isso. Uma família bem estruturada deveria significar uma sociedade bem estruturada, uma influenciando a outra. No tocante à educação, por exemplo, temos a cultura, e há interferência negativa com o entretenimento de baixa qualidade que a sociedade deixa passar para as crianças e jovens”.

O Bispo Edir Macedo, em seu blog, levanta a mesma questão: “Deus projetou a raça humana para viver em família. O ser humano pode até viver sozinho, mas será infeliz por fugir do padrão instituído pelo Senhor. Essa estrutura familiar seria a base de todo o desenvolvimento na face da Terra. Todas as conquistas de um seriam as do outro. A família terrena foi projetada para refletir a Família de Deus, mas o projeto Divino como um todo foi corrompido”.

Carlos concorda que o conceito vem sendo deturpado por muitos. “Já aquelas pessoas que conseguem ter uma família bem estruturada à luz da Lei e principalmente à luz de princípios e direcionamentos bíblicos”, segue o advogado, “não ficam restritas somente aos benefícios defendidos e concedidos pela Constituição ou pelo Direito de Família, mas têm o alcance dos benefícios concedidos pelo Próprio Deus, uma família abençoada, bem guardada, próspera”.

Desde o início de maio, a Universal vem promovendo palestras e orações a respeito da família. No próximo domingo, dia 29, qualquer pessoa que quiser poderá comparecer à Universal mais próxima na reunião especial “Toda a Família na Casa de Deus”. Com uma boa estrutura espiritual em Deus, qualquer família é mais forte diante dos problemas que assolam o mundo.


Família e sociedade: via de mão dupla
  • Redação / Foto: getty images 


reportar erro