Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de junho de 2019 - 00:05


Evangelizar no trabalho: certo ou errado?

Em 2016, a enfermeira Sarah Kuteh, de 50 anos, foi demitida do hospital em que trabalhava na Inglaterra e teve sua licença profissional cancelada. A dispensa se deu após a queixa de um paciente de câncer que ela tentou evangelizar e a quem disse que só o Senhor Jesus poderia curá-lo.

Sarah, natural de Serra Leoa, na África, trabalhava havia 15 anos como enfermeira no NHS, o sistema público de saúde do Reino Unido.

Na ocasião, ela ofertou sua Bíblia ao paciente que se preparava para uma cirurgia e o levou a cantar com ela o Salmo 23. O enfermo, alarmado, se queixou à direção do hospital e disse que o episódio foi “muito bizarro” e parecia um quadro de um grupo humorístico de TV.

Em 2017, ao recorrer na Justiça, Sarah obteve de volta o direito de exercer a enfermagem, mas não o emprego. Voltou a recorrer neste ano, mas não conseguiu de novo.

Não deve ser uma imposição
Embora Sarah seguisse o que achava certo, pode não ter feito isso da forma correta. Evangelizar requer preparação, como a que é dada ao Grupo da Saúde da Universal: voluntários, com permissão das instituições de saúde, conversam com os pacientes e levam a eles o suporte da Palavra.

O fervor da enfermeira foi mal aplicado. Cabe aqui dizer que é preciso ser sábio até para evangelizar, pois não são só as palavras que expressam a fé, mas as atitudes também.

Quem convence as pessoas e desperta nelas o desejo da Salvação é o Espírito Santo. Impor e obrigar a sua fé ao outro pode ter um efeito contrário. Pode irritá-lo e afastá-lo ainda mais da Palavra.

Mau testemunho?
Ela prometeu à direção do hospital que não faria mais isso, mas não cumpriu o prometido. Será que o paciente ficaria irritado se Sarah mostrasse sua fé por meio de sua conduta? Não podemos afirmar isso, mas é possível imaginar que ele poderia enxergá-la de outra maneira.

A lição que fica dessa história é que é preciso capacitação para falar da Palavra de Deus. Você deve evangelizar no trabalho e em outro lugar qualquer, mas precisa se lembrar que o exemplo fala mais alto do que qualquer explanação. Não adianta se tornar uma pessoa incômoda ou até mesmo insistente. Se a quem se oferece a Palavra passar a achar o evangelista chato e inconveniente, certamente ele não vai querer se tornar alguém assim.

Então, antes de convencer alguém, conquiste o seu respeito por meio de suas atitudes. Mostre-se sempre uma pessoa melhor. Dessa forma, ganhar almas se tornará uma tarefa simples, respeitosa e, principalmente, eficiente. Pense nisso.

*Colaborou: Sara Oliveira


  • Marcelo Rangel* / Fotos: Reprodução 


reportar erro