Rede aleluia
“Eu pensava na morte todos os dias”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de maio de 2020 - 00:05


“Eu pensava na morte todos os dias”

Conheça a experiência de Celma dos Santos, que conseguiu superar a angústia que sentia depois de chegar à Universal

“Eu pensava na morte todos os dias”

Muitas pessoas passam por problemas e, desesperadas, não enxergam uma saída. Um exemplo é a história de Celma Maria dos Santos, de 46 anos, que contou com a fé em Deus para driblar um momento difícil em sua vida.

Antes de chegar à Universal, ela passava por problemas com seu filho, que vivia no mundo das drogas. “Eu era uma pessoa extremamente frágil, só queria chorar, meus problemas vinham como uma avalanche, eu era uma pessoa muito negativa, me irritava facilmente, carregava sentimento de culpa e questionava o motivo de ter tantos problemas”, conta.

Quando descobriu que seu filho tinha sido preso, o sofrimento aumentou ainda mais. “Eu via meu filho ali naquela delegacia, sentado em um chão frio, chorando, machucado, isso me cortava o coração. Eu queria trocar de lugar com ele. Não conseguia ver meu filho sofrendo.”
Celma queria tirar a própria vida. “Eu pensava na morte todos os dias. Queria morrer, procurava um jeito para que o fim não fosse tão sofrido”, recorda.

Em uma madrugada daquele período sombrio da sua vida, ela resolveu ligar a TV. “Estava passando o programa Fala que eu te Escuto e o Bispo falava que havia uma solução, independentemente de qual fosse o problema”, recorda.

Ela fez o desafio com Deus proposto no programa, tomou a água consagrada e depois da oração se sentiu em paz. No dia seguinte, ela foi à Igreja de manhã, ouviu as orientações, passou a fazer a corrente de fé e milagres, lutou para se curar da depressão e pela
sua família.

Por meio da fé, Celma se libertou, foi batizada com o Espírito Santo, seu filho foi liberto, saiu da prisão transformado, se casou, arrumou um emprego e deixou os vícios. “Hoje posso dizer que eue minha casa servimos ao Senhor”, completa.


“Eu pensava na morte todos os dias”
  • Kaline Tascin / Foto: Cedida 


reportar erro