Rede aleluia
“Entendi que precisava me cuidar primeiro”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 27 de Novembro de 2022 - 00:05


“Entendi que precisava me cuidar primeiro”

Durante anos, Atevaldo Barros teve problemas no amor por causa do vício em álcool. Jéssica Barros, por sua vez, enfrentou os traumas originados por um relacionamento abusivo

“Entendi que precisava me cuidar primeiro”

Os problemas do passado podem se tornar um grande empecilho na vida da pessoa. O corretor de imóveis Atevaldo Francisco de Barros, de 43 anos, diz que, durante a juventude, buscou vários escapes para os traumas da infância, até que conheceu o álcool. “A bebida veio para destruir a minha vida e tudo que estava ao meu redor. Eu ia a festas, baladas e estava sempre rodeado de amigos em meio à bagunça. Quando eu começava a beber, nada me fazia parar.”

Os relacionamentos dele não duravam mais do que uma noite. “Eu descontava na bebida todos os problemas que surgiam na minha vida”, conta. Além disso, Atevaldo se recorda que, certa vez, ficou internado por “motivos espirituais”. Ele tinha síndrome do pânico e ansiedade.

Ele conheceu a Igreja Universal por meio de um programa que viu na televisão durante uma madrugada de insônia. Atevaldo decidiu entregar seus caminhos para o Senhor Jesus, pois não aguentava mais sofrer e viver embriagado. Depois disso, conheceu uma mulher na igreja e se casou com ela, mas o relacionamento era marcado por brigas. “Com 13 anos de união, descobri que ela estava me traindo e pedi o divórcio.”

Depois dessa frustração, Atevaldo começou a participar das palestras da Terapia do Amor, aprendeu a se valorizar e, então, encontrou uma nova oportunidade de ser feliz no amor. “Ouvi falar do aplicativo Quero Te Conhecer, mas no início não quis utilizá-lo. Posteriormente, passei a usá-lo e conheci minha atual esposa. No momento que começamos a conversar, Deus já me confirmou que ela era a mulher da minha vida”, destaca.

A operadora de caixa Jéssica Belmiro de Barros, de 33 anos, esposa de Atevaldo, conta que, antes de conhecê-lo, viveu um relacionamento abusivo: “eu me sentia frustrada. Via as pessoas se casando, mas imaginava que isso jamais seria possível para mim por causa das experiências dolorosas que vivi”, explica.

Jéssica encontrou a cura para suas dores na Terapia do Amor: “entendi que precisava me cuidar primeiro, para depois cuidar de outra pessoa. Deus me ajudou a superar os traumas do passado e me abençoou na hora certa”.

Jéssica morava no interior de São Paulo e Atevaldo, na capital paulista, mas isso não os impediu de ficarem juntos. Eles se casaram em 4 de junho de 2022, na Igreja Universal de São Manuel (SP). “Jesus me deu um esposo que me ama e me valoriza”, conclui Jéssica.


“Entendi que precisava me cuidar primeiro”
  • Kaline Tascin / Fotos: Cedidas 


reportar erro