Rede aleluia
Enfrentamento ao coronavírus e os princípios da propaganda nazista
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de maio de 2020 - 00:40


Enfrentamento ao coronavírus e os princípios da propaganda nazista

Ao comparar como o coronavírus tem sido encarado com os princípios da propaganda de Joseph Goebbels fica difícil não ver similaridades assustadoras

Enfrentamento ao coronavírus e os princípios da propaganda nazista

Apesar de haver discordâncias sobre como o nazismo dizimou milhões de seres humanos durante a Segunda Guerra Mundial, em uma coisa todos concordam: a propaganda do ministro de Hitler, Joseph Goebbels, foi altamente eficiente. Tanto que vários de seus princípios são utilizados até hoje e, mais atualmente, no enfrentamento ao novo coronavírus.

Um deles é o da “simplificação do inimigo único”, onde tudo se resume a uma só ameaça, ignorando os males de qualquer outro adversário. Por conta da pandemia, 70% das cirurgias de câncer foram adiadas e 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados, segundo as Sociedades Brasileiras de Patologia e de Cirurgia Oncológica. Mas o que vai acontecer com essas pessoas e com tantas outras que tiveram diversos tipos de tratamentos interrompidos não importa, afinal, todos os esforços estão voltados ao “inimigo único”.

Outro princípio é o do “contágio”, que consiste em divulgar com empenho a capacidade de disseminação, preferencialmente, confundindo as pessoas para deixá-las o mais inseguras possível. Hoje, querem nos fazer crer que sair de casa é caminhar para a morte. Porém, se usar máscara e a saída for para ir ao mercado ou à farmácia, tudo bem. Dizem que o vírus vai desaparecer se todo mundo se isolar e também afirmam que a ameaça desaparecerá quando 70% da população for contaminada. Mas, como ser contaminado se estamos “protegidos” em casa? Não, espere! Não estamos mais protegidos, afinal, 66% das pessoas diagnosticadas com Covid-19 na cidade de Nova York estavam dentro de casa. Até a Claudia Raia e toda sua família contraíram o vírus dentro de casa… E agora? Estamos perdidos!

Mais um dos princípios da propaganda nazista está sendo executado com maestria: o da “exageração e desfiguração”, que consiste em exagerar nas más notícias criando um clima de terror generalizado, onde um acontecimento negativo deve repercutir como se fossem mil. No Brasil, a taxa de letalidade do coronavírus está na casa dos 6%, enquanto apenas o câncer de próstata mata 14% dos pacientes. Mas, e daí? Câncer não pega, ou melhor, só pega nos outros.

E se há um princípio praticado à perfeição é o da “orquestração”, que consiste em compartilhar notícias falsas até que se tornem “verdades inquestionáveis”. Uma delas é que o país precisa parar e que a economia se recupera depois. Ora, uma pessoa que dedicou anos da sua vida a um negócio, que colocou todas as suas economias, sua energia, seu trabalho e que, há meses não fatura um real, mas tem de continuar pagando despesas, funcionários e tributos, sem saber quando poderá voltar a abrir as portas não se recupera. Simples assim. E os números estão aí para confirmar. Enquanto temos um acumulado de 271.628 casos de coronavírus – com 106.794 pacientes já recuperados – 600 mil empresas fecharam as portas definitivamente. Esses empreendedores estão sem trabalho, sem capital e, em sua maioria com um histórico – bem como um CPF – negativo, o que os impede de se recuperar tão facilmente como tem sido propagado aos quatro ventos.

Aliado a esses princípios está o da “renovação”, que visa reforçar as más notícias 24 horas por dia até que o assunto penetre no mais profundo da mente das pessoas fazendo-as pensar apenas no único inimigo. Comentários sobre esse aspecto são totalmente dispensáveis.

Ainda temos o princípio do “verossímil”, que busca especialistas para reforçar o poder destrutivo do inimigo único, que geralmente é combinado com o princípio do “silêncio”, que oculta todas as demais informações e cala qualquer fonte de esperança. Basta divulgar apenas o trecho de uma fala afirmando que o inimigo pode matar – o que é verdade ¬– silenciando os que lembram que há outros que matam muito mais e que não estão sendo combatidos. É só acusá-los de monstros insensíveis, que não ligam a mínima para os mortos pela Covid-19. Todas as demais mortes podem esperar neste momento em que o mundo inteiro se volta para o inimigo único.

E tudo isso converge para o objetivo maior que é chegar ao princípio da “unanimidade”, quando a maior parte da população se vê acuada, temerosa, insegura e totalmente submissa para aceitar toda e qualquer ordem governamental, ainda que seja desastrosa e sem nexo, a exemplo do mega rodízio na cidade de São Paulo, quando o prefeito tirou os carros das ruas e superlotou o transporte público, expondo as pessoas a uma probabilidade de contágio muito maior. Daqui alguns dias veremos o resultado dessa mega aglomeração e, quem sabe, o “aumento da curva” que ela pode causar seja jogado sobre as pessoas que não ficaram em casa, “provando” que o lockdown – que tanto o governo de São Paulo almeja – seja a “solução final”.

Para terminar, deixo uma das frases que foi exaustivamente utilizada pela propaganda nazista e que se encaixa perfeitamente como uma tentativa de justificar os desmandos dos dias de hoje: “für ihre sicherheit”, ou seja, tudo isso é para a sua segurança.


Enfrentamento ao coronavírus e os princípios da propaganda nazista
  • Patricia Lages (R7) / Foto: Bundesarchiv, Bild 146-1968-101-20A/Heinrich Hoffmann/Wikicommons 


reportar erro