Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de agosto de 2018 - 13:47


Ele tinha uma lista com 25 pessoas que iria matar, inclusive o próprio pai

Saiba o que aconteceu com Alair Abreu no vídeo abaixo

Seu envolvimento no crime começou aos 17 anos. O jovem Alair tinha se tornado pai e achou na criminalidade a forma mais “fácil” de sustentar a família que estava formando.
As consequências de sua escolha logo chegaram: aos 20 anos foi preso e condenado a 4 anos por porte de armas e tráfico de drogas. Rejeitado, em depressão, e com pensamentos constantes de que para ele não tinha mais jeito, o suicídio foi a alternativa para por fim àquele sofrimento. Mas antes, garantiu Alair, ele se vingaria daqueles que com alguma atitude o fizeram sofrer, e isso incluía o próprio pai.
Porém, naquela cela, enquanto escutava um programa de rádio, algo começou a mudar em sua mente e em seu coração.
Assista o vídeo abaixo e conheça a história de Alair na íntegra:

Verdadeira liberdade

“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” João 8.36

Muitas pessoas pensam que viver livre é ter o direito de “ir e vir”, sem amarras, sem correntes, sem celas. Mas a limitação imposta por um ambiente não é maior da que as fazem viver encarceradas em si mesmas, presas em seu passado de erros, em seus traumas e em suas decepções. Era isso que aprisionava Alair. A prisão física foi consequência da que ele já vivia em seu ser.
Mas só existe uma verdadeira liberdade. Aquela que somente é possível por meio da fé despertada pelo Senhor Jesus e mantida com a obediência em Sua Palavra.
O grupo Universal nos Presídios (UNP) – coordenado pelo Bispo Eduardo Guilherme – realiza em todo o País um trabalho que visa muito mais que a simples assistência social aos detentos e seus familiares. Por entender que se pensamentos não mudarem, tudo ficará da mesma forma, eles trabalham para que a transformação da mente aconteça e, claro, somente por meio da Palavra que vem do próprio Deus isso é possível.
Se você desejar conhecer mais esse trabalho acesse e curta o perfil oficial do grupo no Facebook, clicando aqui. Para outras informações ou como se tornar um voluntário, encontre aqui o endereço de uma Universal mais próxima de sua casa e se informe com o pastor.
Acompanhe também pela Rede Aleluia, o programa “Momento do Presidiário” que é transmitido diariamente, às 21 horas.
 


  • Núbia Onara / Foto: Reprodução 


reportar erro